Padre que usava o Grindr é descoberto ao ter celular rastreado

1 min de leitura
Imagem de: Padre que usava o Grindr é descoberto ao ter celular rastreado
Imagem: App Store/Reprodução
Avatar do autor

O principal administrador da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB), o padre Jeffrey Burrill, renunciou ao cargo na última segunda-feira (19), após um vazamento de dados revelar que ele era usuário do Grindr. Lançado em 2009, o app de relacionamento é dedicado ao público LGBT+.

Conforme dados obtidos pelo site The Pillar, o padre teria utilizado o aplicativo em 2018, 2019 e 2020. As informações, adquiridas de um vendedor não identificado, revelaram ainda que, além de possuir uma conta na plataforma, o religioso frequentava bares gays durante viagens oficiais a trabalho.

A presença de Burrill nos locais foi dedurada pela geolocalização do celular, rastreada pelo Grindr. Esse tipo de informação, também coletada pelo Tinder e outros serviços, é anônima, mas costuma ser vendida junto com a ID do aparelho, a idade, o sexo e o gênero do usuário a agências de marketing e outros compradores, segundo o The Washington Post.

Jeffrey Burrill ocupava um dos principais cargos da Igreja Católica nos EUA.Jeffrey Burrill ocupava um dos principais cargos da Igreja Católica nos EUA.Fonte:  The New York Post/Reprodução 

Especialistas ouvidos pela publicação dizem ser possível descobrir a identidade de um determinado usuário ao fazer o cruzamento das informações, como parece ter acontecido com o Monsenhor Burrill. No caso dele, uma consultoria independente, contratada pelo Pillar, autenticou os dados.

Grindr nega vazamento de informações

Um porta-voz do aplicativo LGBT+ de paquera classificou a história envolvendo o padre como “caça às bruxas homofóbica” e negou que os dados de seus usuários estejam à venda. “As supostas atividades listadas naquela postagem não atribuída do site são inviáveis tecnicamente e incrivelmente improváveis de ocorrer”, comentou.

O representante disse ainda não haver “nenhuma evidência que apoie as alegações de coleta ou uso indevido de dados relacionados ao Grindr”, mas não forneceu maiores detalhes sobre o destino das informações rastreadas.

Quanto à renúncia do padre, a USCCB informou ter acatado o pedido do religioso e que irá investigar as acusações de má conduta.