Grupos de direitos civis pedem fim de scanner de fotos da Apple

1 min de leitura
Imagem de: Grupos de direitos civis pedem fim de scanner de fotos da Apple
Imagem: Apple
Essa não é uma matéria patrocinada. Contudo, o TecMundo pode receber uma comissão das lojas, caso você faça uma compra.
Avatar do autor

Um grupo formado por mais de 90 organizações de direitos civis ao redor do mundo assinou uma carta aberta direcionada ao CEO da Apple, Tim Cook. O documento pede a revisão e suspensão da tecnologia que faz uma varredura constante nas plataformas de armazenamento de fotos em dispositivos da fabricante.

As críticas são direcionadas a possíveis riscos dessa ferramenta que vão além do propósito original, que é escanear o dispositivo em busca de materiais, como imagens de abuso infantil. Os grupos ainda pedem que a Apple converse com entidades do setor para implementar melhor políticas que tenham como objetivo combater exploração infantil e crimes similares.

Outro recurso bastante criticado é o alerta enviado às contas de adultos responsáveis, especialmente porque o algoritmo costuma gerar falsos positivos ao marcar como sexuais conteúdos que não se enquadram na categoria.

Quais são os riscos?

Segundo a carta, grupos vulneráveis, como jovens LGBTQ+ sem grande aceitação ou boa relação com os pais, podem ter a privacidade exposta em serviços como o iMessage. A própria fonte de um abuso podem ser pessoas consideradas responsáveis — e alertá-las em vez de denunciar às autoridades, por exemplo, pode apenas piorar o problema.

Além disso, o fato de o escaneamento acontecer embutido no dispositivo e por padrão no iCloud é criticado pelos grupos. O motivo é uma eventual pressão que essas companhias sofrerão para utilizar a ferramenta em outros casos, como requerimentos judiciais ou pedidos de governos por conteúdos que eles consideram ofensivos — o que poderia gerar uma série de censuras e perseguições.

As ações da Maçã já geraram críticas e preocupações dos próprios funcionários da empresa, do ativista Edward Snowden e até de uma startup que foi processada pela marca.

Leia a carta na íntegra

Seis das organizações que assinam a carta são do Brasil: Instituto Beta: Internet & Democracia (IBIDEM), Instituto de Referência em Internet e Sociedade (IRIS), Instituto Liberdade Digital (ILD), Instituto Nupef, Instituto de Pesquisa em Direito e Tecnologia do Recife (IP.rec) e ISOC Brazil.

O documento completo pode ser consultado no site do Center for Democracy and Technology (em inglês).

Fontes