Facebook ganha novos serviços para incentivar compras em grupos

1 min de leitura
Imagem de: Facebook ganha novos serviços para incentivar compras em grupos
Imagem: Meta/Reprodução
Avatar do autor

A Meta anunciou que lançou três novos serviços para aproveitar o envolvimento de 1,8 bilhão de usuários nos grupos do Facebook e criar oportunidades e negócio. “As pessoas costumam pedir aos membros de grupos recomendações sobre sua experiência com um produto e seu desempenho”, afirma a companhia.

O Live Shopping, serviço semelhante às compras integradas do YouTube, agora permite a criação de transmissões ao vivo focadas em vendas de produtos de forma cruzada entre duas páginas, como já acontece nas lives do Instagram. Antes, um influenciador tinha de direcionar o seu público para outra página.

Com o “lojas em grupos”, os administradores poderão colocar itens à venda em uma comunidade. A receita obtida com o comércio eletrônico pode ajudar a financiar a manutenção do grupo. O Octonation, por exemplo, uma comunidade destinada a informações sobre polvos, usará os recursos para manter seu trabalho filantrópico de educação sobre os animais marinhos.

Já o terceiro serviço possibilita que as marcas e produtos sejam incorporadas com a tag embed em comentários de recomendações de compras. Dessa forma, as pessoas poderão visualizar as mercadorias e, caso desejem, comprar com mais facilidade.

Novas fontes de receita

Taxa de 5% sobre os produtos vendidos no Facebook e Instagram está suspensa até junho de 2022. (Fonte: Meta/Reprodução)Taxa de 5% sobre os produtos vendidos no Facebook e Instagram está suspensa até junho de 2022. (Fonte: Meta/Reprodução)Fonte:  Meta/Reprodução 

No momento, as receitas com publicidade são a origem da maior parte do faturamento da Meta. Com o número crescente de críticas à falta de transparência com os dados dos usuários e danos causados pelo uso de suas plataformas, a companhia tenta buscar outras fontes de recursos.

Uma das principais apostas da companhia é o metaverso, que proporcionará novas formas de monetização. Ainda em 2021, Mack Zuckerberg espera investir US$ 10 bilhões na divisão Facebook Reality Labs, responsável por criar hardware, software e conteúdo de realidade aumentada (RA) e realidade virtual (VR).

Fontes