Dispositivos vestíveis podem se tornar rastreadores da covid-19

1 min de leitura
Imagem de: Dispositivos vestíveis podem se tornar rastreadores da covid-19
Imagem: Unsplash
Avatar do autor

Relógios inteligentes, pulseiras fitness e outros dispositivos vestíveis podem ser incluídos no sistema de rastreamento de contatos para conter a disseminação da covid-19, já disponível para os celulares. A possibilidade foi anunciada ontem (18) pelo Bluetooth Special Interest Group (SIG), que quer estender o alcance da ferramenta.

A ideia da organização responsável por supervisionar o desenvolvimento dos padrões da tecnologia sem fio é ampliar o funcionamento do app de rastreamento, criado por Google e Apple e que funciona via Bluetooth, para incluir grupos de pessoas não atendidas pelo sistema. Idosos e crianças estão entre o público-alvo da iniciativa.

Segundo o SIG, o uso dos smartphones entre as crianças do primário e os adultos que vivem em lares de idosos não é muito comum, deixando-os de fora do sistema de notificação de possível exposição ao vírus. Mas com a disponibilização do recurso para os wearables, isso mudaria. Uma criança usando um smartwatch, por exemplo, poderia transferir os dados da ferramenta para os telefones dos pais, ao chegar da aula.

Os relógios inteligentes também podem entrar na luta contra o novo coronavírus.Os relógios inteligentes também podem entrar na luta contra o novo coronavírus.Fonte:  Unsplash 

A professora de Física da Universidade Técnica de Munique Elisa Resconi, líder de um grupo de pesquisa no combate à doença, defende a ideia de levar o recurso às pessoas cujo uso do celular não é tão difundido. “Acreditamos que incluir dispositivos vestíveis em um sistema de notificação de exposição (ENS) seria um método muito eficaz para estender seu alcance e apoiar esses grupos importantes”, disse ela.

Quando estará disponível?

A disponibilização do sistema de rastreio de exposição ao novo coronavírus nas smartbands, relógios inteligentes e outros vestíveis dependeria de uma atualização do Bluetooth.

Conforme o SIG, cerca de 130 empresas associadas ao órgão já estão trabalhando na definição de um método padronizado para adicionar o suporte aos gadgets, preservando a privacidade do usuário. 

A instituição espera apresentar um rascunho da tecnologia nos próximos meses.

Dispositivos vestíveis podem se tornar rastreadores da covid-19