Apple e Google detalham interface do 'rastreador da covid-19'

1 min de leitura
Imagem de: Apple e Google detalham interface do 'rastreador da covid-19'
Imagem: BGR/Reprodução
Essa não é uma matéria patrocinada. Contudo, o TecMundo pode receber uma comissão das lojas, caso você faça uma compra.
Avatar do autor

A Apple e a Google apresentaram, nessa segunda-feira (4), detalhes sobre o sistema de rastreamento desenvolvido em conjunto para ajudar no combate ao novo coronavírus. A ferramenta terá a capacidade de indicar, por meio da conexão Bluetooth, se o usuário esteve em contato com alguém que contraiu a covid-19.

Elas revelaram os primeiros conceitos de interfaces para possíveis aplicativos de rastreamento de contatos que poderão ser criados por governos e autoridades de saúde, para Android e iOS. As capturas de tela mostram, por exemplo, como será o pedido de autorização para uso das informações e como o utilizador poderá informar ao sistema que testou positivo para a doença.

As primeiras imagens do sistema foram divulgadas.As primeiras imagens do sistema foram divulgadas.Fonte:  BGR/Reprodução 

Nos prints, também é possível notar que o usuário precisará fornecer algum tipo de verificação para validar o diagnóstico, evitando fraudes. As companhias mostraram ainda como se dará a notificação para aqueles que estiveram próximos de alguém contaminado e o fornecimento de instruções para os cuidados a serem tomados.

Sistema de notificação para os usuários que estiveram próximos a alguém infectado.Sistema de notificação para os usuários que estiveram próximos a alguém infectado.Fonte:  BGR/Reprodução 

Ambas a empresas divulgaram, ainda, a versão inicial dos códigos do novo sistema, para os desenvolvedores interessados em criar apps para iPhone e Android que utilizarão a tecnologia no combate à covid-19.

Proibido rastrear a localização

Junto à divulgação das primeiras imagens da nova ferramenta e dos códigos, Google e Apple também publicaram regras de privacidade e conduta para quem for utilizar o sistema de rastreamento de contatos.

Entre elas, há a proibição do uso de dados de GPS e localização do celular em conjunto com a ferramenta de rastreamento, contrariando os pedidos de desenvolvedores americanos que queriam aproveitar o sistema para mapear o deslocamento do vírus.

Outras exigências feitas pelas gigantes da tecnologia incluem coletar a menor quantidade possível de dados e o uso exclusivo deles para o combate ao novo coronavírus. Os apps também deverão pedir consentimento ao usuário para capturar as informações e compartilhá-las.

Apple e Google detalham interface do 'rastreador da covid-19'