Leilão do 5G deve acontecer em julho de 2021, confirma ministro

1 min de leitura
Imagem de: Leilão do 5G deve acontecer em julho de 2021, confirma ministro
Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Avatar do autor

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, confirmou que o leilão das frequências do 5G no Brasil deve mesmo acontecer em julho de 2021.

Segundo a Agência Brasil, o próximo passo depende de uma aprovação do Tribunal de Contas da União (TCU), que pode acontecer nas próximas semanas e envolve algumas polêmicas. Logo depois, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) terá um mês para iniciar o leilão.

"O Brasil está pronto, pronto para começar a usar a tecnologia 5G. Nós teremos o melhor do 5G para carregar uma imensa transformação digital em nossa economia. Os braços do Brasil estão bem abertos para receber novos investimentos em telecomuniocação", afirmou o ministro, de acordo com uma publicação do órgão no Twitter.

Atrasos

O 5G no Brasil já se encontra bastante atrasado em relação ao planejamento inicial, desde a formulação do edital até decisões sobre a divisão de faixas, as obrigações das operadoras e eventual proibição de parceiras de empresas de telecomunicação.

A promessa atual é de que o 5G chamado standalone seja devidamente ativado em todas as capitais até julho de 2022. Em 2028, o objetivo é que "todas as obrigações previstas para as empresas vencedoras do certame sejam implementadas" em território nacional.

Um teste via videochamada foi recentemente realizado com sucesso e alguns modelos com suporte para a quinta geração de conectividade móvel já foram lançados no país.

Viagem

Uma delegação do ministério embarca no próximo domingo (6) aos Estados Unidos para conhecer melhor as redes privativas de 5G do país e fazer reuniões com potenciais investidores. Encontros com órgãos governamentais de segurança e regulamentação das telecomunicações também estão agendados.

News de tecnologia e negócios Deixe seu melhor e-mail e welcome to the jungle.
Leilão do 5G deve acontecer em julho de 2021, confirma ministro