Gerenciador de contas inativas do Google: entenda como funciona

2 min de leitura
Imagem de: Gerenciador de contas inativas do Google: entenda como funciona
Imagem: Unsplash
Avatar do autor

Adotar medidas de segurança para proteger suas informações online passou a ser uma preocupação que vem levantando muitas discussões atualmente. Com a frequência de vazamentos e invasões de cibercriminosos, o Google desenvolveu ferramentas para tornar a experiência de seus usuários na internet mais segura.

A empresa possui diversos mecanismos para garantir a privacidade das pessoas, incluindo aquelas que tiveram suas contas inativas, mas que ainda são alvos de hackers. Através do Gerenciador de Contas Inativas, é possível preservar as informações pessoais e impedir que essas contas sejam utilizadas para ataques.

(Fonte: Unsplash/Reprodução)(Fonte: Unsplash/Reprodução)Fonte:  Unsplash 

A ferramenta visa oferecer uma solução para contas inativas ou abandonadas, em razão de falecimento ou outro motivo que tenha incapacitado o usuário, podendo ser acessada neste link. Neste artigo, o TecMundo irá explicar como funciona o Gerenciador e como ele pode ser utilizado para proteger informações, contas, mídias e outros arquivos pessoais, confira;

Como funciona

O Gerenciador de contas inativas é responsável por planejar o que acontecerá com seus dados se você não puder mais usar a sua conta do Google. Nele é possível definir quando a plataforma poderá considerar sua conta inativa e indicar o que será feito com seus dados depois disso como, por exemplo, compartilhar com alguém de sua confiança ou solicitar a exclusão definitiva.

(Fonte: Unsplash/Reprodução)(Fonte: Unsplash/Reprodução)Fonte:  Unsplash 

Ao configurar o recurso, o Google pede que o usuário escolha o período dentre 3, 6, 12 ou 18 meses sem nenhuma atividade, para que a empresa tome alguma medida sobre os dados. Dessa maneira, será enviado um aviso com um mês de antecedência do prazo estabelecido, através de uma mensagem de texto e um e-mail para os contatos fornecidos durante o cadastro.

Ainda é possível deixar uma resposta automática no Gmail para a pessoa que receberá as informações, além de uma mensagem explicando que aquela conta está inativa. Em casos do usuário ter desejado que a conta seja deletada, assim que o Google identificar que ela está inativa, o conteúdo será encaminhado para contatos de confiança.

Compartilhando dados

O usuário poderá escolher até 10 pessoas que serão contactadas pelo Google para avisar sobre a exclusão da conta ou para receber acesso de parte dos seus dados. A lista pode incluir mídias, contatos, e-mails, documentos, entre outras informações específicas que o usuário decidiu compartilhar. Os contatos escolhidos terão até 3 meses para baixar as informações que, após esse período, serão excluídas.

Modelos de mensagens que serão enviadas para os contatos escolhidos (Fonte: Google/Reprodução)Modelos de mensagens que serão enviadas para os contatos escolhidos (Fonte: Google/Reprodução)Fonte:  Google 

Ao deletar a conta do Google, todos os dados compartilhados de forma pública serão igualmente excluídos, incluindo vídeos no YouTube, blogs na plataforma Blogger e a conta no Gmail — que perderá o nome de usuário. Através do Painel do Google, é possível conferir quais dados estão associados a esta conta.

Cibersegurança

Um recente ataque a T-Mobile, operadora americana de telefonia, teve os dados de 47 milhões de usuários roubados e vazados. Contas inativas foram acessadas através de antigos artigos de cobrança, representando um risco à segurança dos clientes da empresa.

Dessa maneira, configurar o plano de conta inativa é uma medida simples, mas essencial para a proteção dos seus dados. Além de garantir que o legado digital de uma pessoa seja compartilhado com contatos de confiança, quando o usuário puder mais acessar sua conta.

Neste mês da Consciência da Cibersegurança, confira como se proteger de ataques hackers em redes domésticas, como proteger seu notebook de ameaças cibernéticas e como evitar expor seus dados a fraudes durante as compras na Black Friday.

Fontes