Você já deve ter ouvido falar que Elon Musk quer estabelecer uma rede de internet espacial para oferecer cobertura global, mesmo em locais remotos. Pois então, a corrida pela exploração de uma web na órbita terrestre começou: a China Aerospace Science and Industry Corp (CASIC), a maior fabricante de mísseis da China, anunciou que vai lançar ainda neste ano seu satélite experimental para testar o sistema.

Os planos começam com o lançamento de um satélite até o final do ano para testes e mais quatro para a montagem da rede até o final de 2020

O projeto Hongyun, lançado pelo CASIC em setembro de 2016, tem como objetivo construir uma estrutura integrada de comunicações com 156 pequenas sondas em trajetória cerca de 1 mil quilômetros acima da Terra. A expectativa é de que esteja funcional até 2022 e transmita banda a 500 MB por segundo. "A Hongyun permitirá que nossos usuários desfrutem do serviço de internet de banda larga, independente de estarem no deserto, no mar ou à bordo de um avião", disse Zhang Zhongyang, presidente da CASIC Second Academy, em entrevista ao China Daily.

Serão investidos aproximadamente US$ 47,3 milhões para a criação de uma unidade de construção de satélites, com setores de pesquisa, desenvolvimento e manufatura, em um complexo de 68,8 quilômetros quadrados, com obras a partir de abril. O protótipo do Hongyun deve ficar pronto até dezembro e após o voo inicial mais quatro unidades devem ser alçadas ao espaço até o final de 2020.

china satéliteUma das poucas imagens de veículos disponíveis no site da China Aerospace Science and Industry Corp

Vale destacar que além da CASIC e da SpaceX, outro grupo norte-americano, o OneWeb, também tem planos de criar sua própria constelação conectada com 648 satélites na baixa órbita terrestre até o final de 2019. Só fica a dúvida de como é que vão caber tantos cacarecos ao redor da Terra na próxima década — isso sem contar os entulhos que já estão por lá.