George Hotz, hacker conhecido como “Geohot” responsável por ter burlado o sistema de segurança do PS3, agora trabalha para a Google. Depois de cravar em seu currículo feitos notáveis, que vão desde o desbloqueio do iPhone em 2007 até seu registro como empregado do Facebook, o jovem de 24 anos é atualmente um dos pesquisadores do Project Zero. O programa é uma iniciativa audaciosa da gigante das buscas que visa reduzir os riscos de ataques maliciosos feitos online a todos os usuários da internet.

Depois de receber uma recompensa de US$ 150 mil pela descoberta de uma falha do navegador da Google, Geohot logo foi convidado a integrar a equipe que deverá dedicar esforços à pesquisa de soluções em segurança online. “Você deve poder usar a internet sem medo e certificar-se de que nenhum ator está explorando falhas de softwares para infectar seu computador com o objetivo de roubar dados ou monitorar suas conversas”, diz Chris Evans, um dos coordenadores de Project Zero responsável por recrutar integrantes ao time de pesquisas.

Geohot tem 24 anos e faz parte da equipe de pesquisas de Project Zero.

“Estamos contratando as melhores mentes voltadas a investigações sobre soluções a vulnerabilidades que terão 100% de seu tempo utilizado para otimizar a segurança ao redor da internet”, pode-se ler no blog do programa. Dentre os objetivos do Project Zero, destacam-se o combate ao desrespeito aos Direitos Humanos e à espionagem industrial.

"Anti-herói"

Geohot começou a ganhar popularidade já em 2007, aos 17 anos. Na época, o garoto gerou o primeiro de uma série de jailbreaks ao iPhone. Em 2010, Hotz conseguiu realizar a “engenharia reversa” de um dos sistemas mais lacrados já desenvolvidos pela Sony; o PlayStation 3 foi então desbloqueado. A companhia japonesa chegou a processar o rapaz, mas o caso todo acabou por se resolver em um acordo entre Sony e Geohot – que prometeu "nunca mais quebrar os códigos de segurança de quaisquer aparelhos produzidos pela fabricante". Abaixo, gravação feita em 2011. No rap, Hotz desafia a Sony a levá-lo ao tribunal. "Sou a reificação da liberdade", canta em dado momento.

Depois de conhecer alguns dos engenheiros da Sony em 2011 e demonstrar seus métodos aos especialistas, o hacker acabou sendo convidado pelo Facebook para trabalhar. “Trabalhar no Facebook é realmente legal”, disse Geohot no mesmo ano. George Hotz pediu demissão após trabalhar por oito meses como funcionário da empresa fundada por Zuckerberg. Atualmente, o jovem especialista é contratado da Google como pesquisador do Project Zero.

Cupons de desconto TecMundo: