John Constantine: conheça as origens do personagem da DC

4 min de leitura
Imagem de: John Constantine: conheça as origens do personagem da DC
Imagem: NBC/Reprodução
Avatar do autor

O mundo dos quadrinhos invadiu o mundo do cinema diversas vezes. Durante essas incursões, alguns personagens icônicos foram apresentados ao grande público, como o famigerado John Constantine. O anti-herói protagonista de Hellblazer foi criado por Alan Moore, Stephen Bissette e John Totleben, surgindo pela primeira vez em 1985, durante uma das histórias do Monstro do Pântano (Swamp Thing, no original).

Apesar de controverso, sua personalidade é bastante interessante em vários aspectos, sobretudo por conta do seu desenvolvimento com ocultismo e feitiçaria. Todas essas habilidades o ajudaram a crescer em diversos níveis, transformando sua conduta em algo cativante de ser acompanhada pelos espectadores.

(NBC/Reprodução)(NBC/Reprodução)Fonte:  NBC 

Nascido nos anos 1960, John Constantine é quase totalmente livre de pudores, anda com roupas amassadas e desajeitadas, fuma muitos cigarros por dia e pode, eventualmente, aparecer em uma reunião de emergência da Liga da Justiça um tanto quanto bêbado. Mesmo assim, o personagem é um dos mais importantes do universo DC, sobretudo quando se fala de ameaças sobrenaturais e mágicas. Mas você conhece sua história de origem?

Desvendando Constantine: saiba mais sobre o passado do personagem

Na edição de número 39 de Hellblazer, os leitores entram em contato com questões intimamente profundas de John Constantine. Durante seus primeiros anos, ocasionalmente, ele já tinha visões de um certo amigo imaginário composto por uma luz dourada extremamente brilhante. Apesar de odiá-lo em vários aspectos, com o passar do tempo, John percebeu que ele não era seu amigo e muito menos tratava-se de algo criado por sua imaginação.

O Garoto de Ouro, como John o chamava, consistia em seu irmão gêmeo, que vivia em um mundo paralelo — alguém que ele nunca chegou a conhecer efetivamente, levando em consideração que sua mãe o havia perdido no parto. Mary Anne Constantine estava grávida de um segundo filho, mas por nascer doente e com baixo peso, acabou não sobrevivendo.

(Vertigo/Reprodução)(Vertigo/Reprodução)Fonte:  Vertigo 

Além desse fato chocante, John teve uma infância marcada pelo ódio intenso que sentia sobre a figura de seu pai. Thomas Constantine sempre deixou claro ao seu filho que nunca desejou seu nascimento e que ele poderia ter morrido junto com o outro bebê. Obviamente, essa relação extremamente delicada e complexa foi crescendo negativamente com o passar dos anos.

Thomas não apenas culpou John pela morte de Mary, mas também sobre outros eventos de sua vida. Além disso, o patriarca Constantine detestava o fato de seu filho ser um jovem esquisito que preferia gastar todo o seu tempo lendo livros sobre criaturas demoníacas e outras lições de magia. Em seus episódios de raiva, Thomas queimou diversos livros da coleção de John, querendo afastá-lo das linhas do ocultismo.

Com isso, somado a todos os outros péssimos sentimentos que nutria sobre seu pai, John o amaldiçoou, ligando sua alma a de um gato morto. Esse talvez tenha sido o primeiro grande feito mágico de Constantine, sobretudo porque ainda estava aprendendo a lidar com as questões mais puras da feitiçaria. Logo em seguida, Thomas desenvolveu uma doença inexplicável e foi definhando com o passar dos dias.

(Vertigo/Reprodução)(Vertigo/Reprodução)Fonte:  Vertigo 

Mesmo com o sucesso de sua maldição, John sentiu culpa por tudo o que estava acontecendo. O feitiço não poderia mais ser revertido e o remorso chegaria, eventualmente, para se tornar um novo fardo a ser carregado. Para que as coisas não piorassem, ele preservou o cadáver do gato em formol, evitando assim que seu pai degenerasse ainda mais.

Outros fatos importantes da vida de John Constantine

Ainda que Thomas tenha falecido apenas algumas décadas depois de sua maldição ser efetivada, sua alma acabou ficando presa na Terra, aterrorizando, inclusive, a jovem Gemma Masters, sobrinha de John, filha de sua irmã, Cheryl Masters. Ao perceber que isso só teria acontecido por conta da preservação do cadáver do gato, John o queimou e libertou seu pai.

(The CW/Reprodução)(The CW/Reprodução)Fonte:  The CW 

Mas, obviamente, ao longo de sua trajetória como feiticeiro, ele também enfrentou grandes desafios que o impactaram significativamente. Na edição número 11 de Hellblazer, a narrativa se aprofunda no grupo Newcastle Crew, que reuniu diversos ocultistas importantes. Juntos, eles se uniram para ajudar Astra Logue, que era abusada por seu próprio pai, o dono do clube Casanova.

A jovem acabou despertando um monstro terrível conhecido como Norfulthing. Para derrotá-lo, John convocou seus colegas de grupo para invocar um demônio poderoso, que certamente mataria o monstro. Contudo, durante o ritual de ocultismo, Constantine acabou errando o nome que deveria pronunciar e uma força incrivelmente poderosa atacou todos os presentes.

Apesar de Norfulthing também ter sido derrotado durante o processo, a alma de John, Astra e outros estava em perigo. Mesmo buscando um destino diferente do fracasso no Inferno, pouco pôde ser feito e, dessa maneira, o personagem estaria fadado a sofrer ao longo de toda a sua existência na Terra.

(Warner Bros. Pictures/Reprodução)(Warner Bros. Pictures/Reprodução)Fonte:  Warner Bros. Pictures 

John Constantine já foi interpretado por Matt Ryan, na série homônima da NBC, e também por Keanu Reeves, no longa-metragem de 2005. Ryan também fez diversas participações especiais em Arrow e Legends of Tomorrow, ambas da The CW, com o mesmo personagem.

Sobre qual outro personagem dos quadrinhos você gostaria de saber mais? Comente!

Fontes