Existe relação entre ansiedade e insônia?

4 min de leitura
Imagem de: Existe relação entre ansiedade e insônia?
Imagem: Shutterstock
Avatar do autor

*Este texto foi escrito com base em informações de agências e autoridades sanitárias, hospitais e especialistas em saúde. Se você ou alguém que você conhece possui algum dos sintomas descritos aqui, nossa sugestão é que um médico seja procurado o quanto antes.

A ansiedade é um sentimento persistente de preocupação e desconforto. Entre pessoas que experimentam essas sensações, um dos sintomas mais característicos são os distúrbios do sono, como a insônia — a dificuldade de iniciar e manter o sono.

A hiperexcitação mental é apontada como um fator-chave por trás da insônia, e por isso mesmo, pessoas que sofrem de ansiedade são consideradas mais propensas a enfrentar dificuldades em dormir.

A dificuldade para dormir frequentemente está ligada à insôniaA dificuldade para dormir frequentemente está ligada à insôniaFonte:  Shutterstock 

Vários tipos da doença estão relacionados com esse quadro. Isso inclui os transtornos de ansiedade generalizada, obsessivo-compulsivo e de estresse pós-traumático. Nesse último caso, um estudo mostra que 90% de ex-combatentes militares diagnosticados com a síndrome tem sintomas de insônia.

O problema ainda é intensificado pela angústia que precede as horas de adormecer. Como sabe que terá dificuldade para dormir, surge uma nova fonte de preocupação para o paciente que sabe a importância das boas horas de sono.

Em alguns casos, as pessoas até conseguem dormir com facilidade, mas acordam de madrugada atormentados por pensamentos e medos e não conseguem voltar a adormecer.

A fase REM do sono profundo é a mais importante para a restauração das funções cerebrais (Fonte: Unplash)A fase REM do sono profundo é a mais importante para a restauração das funções cerebrais (Fonte: Unplash)Fonte:  Unplash 

Os principais indícios científicos mostram que a ansiedade afeta a fase REM, mais profunda do sono. Ela envolve os sonhos mais vívidos e, entre todas as etapas, e a mais restauradora para o organismo.

Por outro lado, a privação de sono é capaz de intensificar os sintomas da ansiedade. Pessoas que sofrem com insônia são particularmente sensíveis a situações de estresse e medo, que podem engatilhar a ruminação mental das angústias.

Além disso, uma noite mal dormida também afeta o humor e a saúde emocional, fatores importantes para controlar os sintomas de um transtorno mental. Essas relações bidirecionais reforçam que a ansiedade e a insônia se alimentam.

Insônia e ansiedade são problemas retro alimentados (Fonte: Unplash/Megan te Boekhorst)Insônia e ansiedade são problemas retro alimentados (Fonte: Unplash/Megan te Boekhorst)Fonte:  Unplash 

Pesquisadores observaram que pacientes de apneia obstrutiva do sono, um distúrbio que interrompe constantemente o ato de dormir, tem maior probabilidade de desenvolver problemas de saúde mental.

Outras condições psicológicas podem afetar também a capacidade de uma pessoa dormir. Se somadas à ansiedade, podem complicar ainda mais o quadro clínico do paciente.

Como lidar com a ansiedade e a insônia?

Qualquer pessoa que desconfie sofrer de transtornos psicológicos deve buscar um especialista que será capaz de orientar um tratamento adequado. Apesar dos grandes impactos que possam causar, existem formas de solucionar a situação.

Isso não significa, entretanto, que reduzir a ansiedade possa ser simples. Em alguns casos é necessário fazer o uso de medicamentos, que devem ser receitados por um médico psiquiatra. Mas na maioria das vezes basta um terapeuta pra que o problema encontre um fim.

Um dos tratamentos mais comuns é a terapia cognitivo-comportamental. Essa terapia da fala atua de forma que o paciente tenha autonomia para reorientar ou suprimir os pensamentos angustiantes.

Quem sofre do problema deve buscar ajuda profissional (Fonte: Unplash/Priscilla Du Preez)Quem sofre do problema deve buscar ajuda profissional (Fonte: Unplash/Priscilla Du Preez)Fonte:  Unplash 

Lidar de forma mais saudável com a ansiedade é um grande passo para qualquer pessoa que queira se livrar da condição. Isso não significa eliminar de vez os sentimentos de medo ou angustia, mas controlá-los de forma que eles não tomem conta da vida do paciente.

Por conta da relação auto reforçada da insônia e da ansiedade, descansar mais vezes ao longo do dia também é uma estratégia que pode ajudar pessoas em busca de noites melhores dormidas.

Além disso, adotar uma rotina saudável de sono é essencial, não só para quem já sofre com essa condição, mas também como forma de prevenção. Ter certos hábitos antes de se deitar torna a experiência mais agradável e facilita o adormecimento.

Um ambiente escuro e silencioso favorece a boa higiêne do sono (Fonte: Unplash/Annie Spratt)Um ambiente escuro e silencioso favorece a boa higiêne do sono (Fonte: Unplash/Annie Spratt)Fonte:  Unplash 

Conhecidos como higiene do sono, esses hábitos incluem preparar uma cama confortável, deitar todos os dias no mesmo horário, eliminar fontes de ruído, evitar cafeína e álcool a partir das 18h e ficar longe de telas pelo menos meia hora antes de dormir.

O uso de técnicas de relaxamento também pode ajudar os mais ansiosos na hora de dormir. Existem métodos voltados para agilizar e tranquilizar o sono. Elas podem ser incorporadas na rotina diária, antes de ir à cama.

Atividades como meditação, respiração profunda, imagens guiadas e auto hipnose são algumas das alternativas possíveis na hora de limpar os problemas da cabeça. Outra atitude que pode ajudar é reservar um horário do dia para se preocupar sem culpa.

Apesar de estarem intimamente relacionadas e de se retroalimentarem, é possível escapar do ciclo de ansiedade e insônia com atitudes simples e, principalmente, acompanhamento especializado de um terapeuta e, assim, garantir que noites melhores virão.