Peixes recém descobertos na Amazônia já estão em risco de extinção

1 min de leitura
Imagem de: Peixes recém descobertos na Amazônia já estão em risco de extinção
Imagem: Shutterstock
Avatar do autor

Pesquisadores descobriram duas novas espécies de peixes no município de Apuí, interior do estado do Amazonas. Entretanto a atividade exploratória na região chegou antes e já colocou os animais em risco de desaparecerem.

O desmatamento e o tráfico de animais exóticos são grandes ameaças à fauna da Amazônia. Os autores do trabalho dizem que pesquisas como essa podem estimular a preservação da floresta.

Peixes da espécie Poecilocharax callipterus encontrados na amazônia (Fonte: Murilo N.L. Pastana e Willian M. Ohara/reprodução)Peixes da espécie Poecilocharax callipterus encontrados na amazônia (Fonte: Murilo N.L. Pastana e Willian M. Ohara/reprodução)Fonte:  Murilo N.L. Pastana e Willian M. Ohara 

Os animais foram descobertos durantes expedições de pesquisa conduzidas entre 2015 e 2016, com o objetivo de explorar a mata virgem. A área é considerada uma das fronteiras entre o avanço do desmatamento e a floresta nativa.

Coletados por redes ou armadilhas, os peixes foram fotografados, catalogados e enviados para o Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo para serem preservados.

Duas novas espécies

Coloquialmente chamados de darters sul-americanos, uma das espécies chama atenção por suas barbatanas vermelho-alaranjadas. Classificada como Poecilocharax callipterus, ela habita um único riacho de apenas 2,5 quilômetros quadrados.

Por isso, ela é considerada a mais ameaçada entre a duas. Ainda assim  a segunda não está isenta de risco. Batizada de P. rhizophilus, os animais têm uma cor amarelo-âmbar, e listras escuras características nas barbatanas dos machos.

Mas é o tamanho dela que salta aos olhos. Com menos de 3 centímetros é considerada um peixe em miniatura. Os estudos de laboratório revelam que sua estrutura é feita principalmente de cartilagem.

“Foi emocionante encontrar novas espécies”, dz Murilo Pastana, pesquisador de pós-doutorado no Museu de História Natural do Smithosonian em Washington, Estados Unidos e autor do estudo, ao site EurekAlert.

“No campo vimos a floresta pegando fogo, caminhões carregando árvores enormes, e trechos desmatados transformados em pastagem de gado", relata. Ele diz que a ameaça gerou urgência na divulgação dos resultados.

ARTIGO Zoological Journal of the Linnean Society: doi.org/10.1093/zoolinnean/zlac026