Covid-19: novo estudo encontra os 7 sintomas que indicam a infecção

2 min de leitura
Imagem de: Covid-19: novo estudo encontra os 7 sintomas que indicam a infecção
Imagem: Imperial College London
Avatar do autor

À medida que a vacinação contra a covid-19 avança no mundo, controlar de forma eficiente a transmissão torna-se essencial para frear a disseminação do vírus SARS-CoV-2. Um dos mecanismos mais eficazes para esse controle – a detecção rápida –, seguida de isolamento e rastreamento de contato de casos comunitários, se vê comprometida em grande parte dos países do mundo, onde a capacidade de testagem é limitada.

Para tornar a realização dos testes mais econômica e ao mesmo tempo mais eficiente, cientistas do Imperial College de Londres, no Reino Unido, conseguiram identificar um conjunto de sete sintomas que, quando se manifestam em conjunto, indicam uma alta probabilidade de haver a doença. A pesquisa foi publicada nesta terça-feira (28), na revista científica PLOS Medicine.

Além de elencar os sete sintomas preditivos da covid-19, os pesquisadores também cuidaram para detectar se eles diferem entre a variante Alfa (ou B.1.1.7), predominante os EUA e Reino Unido em abril de 2021, e o vírus original. Para chegar aos resultados, eles obtiveram esfregaços de garganta e nariz para realização de testes PCR em 1.147.345 voluntários na Inglaterra, com 5 anos ou mais, durante junho de 2020 a janeiro de 2021.

Teste PCRPessoa passa por teste PRC para detecção de infecção pelo SARS-CoV-2

Os sete sintomas indicadores da presença de covid-19 no organismo

Com dados coletados ao longo de oito rodadas de teste, o estudo Real-time Assessment of Community Transmission-1 (REACT-1) questionou todos os voluntários sobre os sintomas que experimentaram durante a semana anterior ao teste. Combinando os dados obtidos entre as rodas dois e sete, foi desenvolvido um modelo com sete sintomas que, em conjunto, indicam resultado positivo para covid-19, a ser confirmado pelo teste PCR.

Os sintomas observados são os seguintes: perda ou alteração do olfato, perda ou alteração do paladar, febre, tosse persistente, calafrios, perda de apetite e dores musculares. Os quatro primeiros sintomas já são atualmente utilizados no Reino Unido para determinar a realização de PCR comunitário. Na rodada oito, o modelo finalizado prevê uma positividade de PCR com um nível de precisão de 77%.

Em comunicado à imprensa, os autores propõem que as atuais listas de sintomas utilizadas em triagens incluam as manifestações agora definidas. O objetivo é, segundo os cientistas, é "melhorar as taxas de detecção de positividade do PCR e, consequentemente, melhorar o controle da transmissão viral por meio de medidas de isolamento".

A pesquisa mostrou-se relevante, pois atendeu a uma necessidade de se estabelecer critérios mais claros para a realização de testes, que hoje incluem muitos sintomas característicos de outras doenças (como a gripe sazonal), resultando em testagem e autoisolamento desnecessários. Com a descoberta de sintomas mais informativos, os pesquisadores entendem que é possível otimizar as testagens, para tornar as detecções mais eficazes.

ARTIGO Plos Medicine: doi.org/10.1371/journal.pmed.1003777