NASA: Asteroide Bennu tem pequena chance de atingir a Terra em 2182

1 min de leitura
Imagem de: NASA: Asteroide Bennu tem pequena chance de atingir a Terra em 2182
Imagem: NASA/Goddard/University of Arizona
Avatar do autor

Em uma coletiva de imprensa convocada pela NASA na semana passada, foi anunciada uma descoberta importante que irá afetar todos os habitantes da Terra, porém daqui a mais de 160 anos.

Segundo dados de rastreamento da missão espacial OSIRIS-REx, o asteroide potencialmente perigoso Bennu tem uma probabilidade “extremamente pequena” de atingir o nosso planeta no ano de 2182.

A sonda espacial Origins, Spectral Interpretation, Resource Identification, Security-Regolith Explorer (OSIRIS-REx) foi lançada em 2016 para entender melhor os movimentos do chamado “Asteroide do Apocalipse”. Após desembarcar na rocha espacial em outubro de 2020, a nave retornou à Terra em maio deste ano, depois de passar mais de dois anos coletando informações sobre o tamanho do corpo celeste, formato, massa, composição e spin orbital. A OSIRIS-REx só chegará de volta em setembro de 2023.

O resultado dessas observações, publicado em um estudo na revista Icarus, admite que há uma ínfima possibilidade de que a enorme rocha de 560 metros de diâmetro possa passar por um “buraco de fechadura gravitacional”. Esse local no campo de gravidade da Terra poderia atrair o asteroide para uma rota de colisão com nosso planeta em 2182.

Os riscos de uma colisão de Bennu com a Terra

Bennu viaja a uma velocidade de incríveis 100 mil quilômetros por hora, o que significa que um eventual impacto com a superfície terrestre poderia liberar uma energia equivalente à de 70 mil bombas atômicas de Hiroshima, abrindo instantaneamente uma cratera de cinco quilômetros de diâmetro, segundo estimativas da NASA.

Quando o estudo começou a ser efetuado, a chance acumulada de impacto entre Bennu e a Terra era de apenas 0,037%, e que a ocorrência seria em torno de 150 anos, no intervalo temporal entre 2175 e 2196, quase no século XXIII. Com os novos dados fornecidos pela OSIRIS-REx, a probabilidade de uma colisão sobe para 0,057% até o ano de 2300, um valor ainda baixo, porém verificável, em 24 de setembro de 2182, se ocorrer o pior dos cenários.

Por via das dúvidas, uma missão da NASA chamada Double Asteroid Redirection Test (DART) está projetada para ir ao asteroide Didymos, com diâmetro de 780 metros e um corpo secundário (moonlet) de 160 metros. O objetivo dessa missão é colidir deliberadamente com o moonlet a uma velocidade de 6,6 km/s, para observar se o choque mudará a órbita original dessa rocha, e se temos tecnologia para desviar asteroides perigosos.