Britânico testa positivo 43 vezes para covid-19 durante 290 dias

1 min de leitura
Imagem de: Britânico testa positivo 43 vezes para covid-19 durante 290 dias
Imagem: Reprodução/YouTube, BBC
Avatar do autor

Em março de 2020, o instrutor de autoescola e músico Dave Smith testou positivo para covid-19 e só se curou 290 dias depois. O britânico de 72 anos foi infectado quando seu sistema imunológico estava debilitado por causa das sessões quimioterápicas para tratar uma leucemia. Durante esses quase dez meses, o idoso foi ao hospital sete vezes e perdeu 63 quilos.

Este é o caso mais longo de covid-19 já registrado; Smith testou positivo para a doença 43 vezes. "Todos os testes davam positivo. Rezava para que o próximo fosse negativo, mas nunca era", afirmou o músico em uma entrevista à BBC.

Dave Smith perdeu 63 quilos enquanto esteve com covid-19Dave Smith perdeu 63 quilos enquanto esteve com covid-19Fonte:  Reprodução/YouTube, BBC 

Quase um ano de sofrimento

Dave confessou que não acreditava na própria sobrevivência. Ele chegou a se despedir de seus familiares e fez até uma lista de músicas para o velório.

"Eu tive uma tosse terrível. Uma vez, tossi por cinco horas seguidas. Imagine o cansaço que isso causa no seu corpo", relatou Smith. "É como se tivessem puxado uma tomada, e tudo da sua vida é drenado. Tudo sumiu", complementou.

"Foram várias vezes que pensei que ele não aguentaria. Este ano foi um inferno, um pesadelo", disse Lynda Smith, esposa do músico.

Após ser tratado com um coquetel antiviral cedido pela empresa de biotecnologia estadunidense Regeneron, Smith finalmente testou negativo. Mas ainda não é possível afirmar que o coquetel é o responsável pela melhora do idoso. Ed Moran, médico do hospital onde Smith se tratou, afirmou que a única maneira de comprovar a eficácia é por um estudo adequado.

Dave e Lynda comemoraram o teste negativo com uma garrafa de champanhe.Dave e Lynda comemoraram o teste negativo com uma garrafa de champanhe.Fonte:  Reprodução/YouTube, BBC 

Cientistas da Universidade de Bristol estudam este "milagre" para analisar como o vírus se esconde e sofre mutações no corpo, além de como ele consegue infectar de uma forma tão persistente.

"Isso me torna uma estrela? Acho que eu deveria ganha uma medalha ou um certificado", brincou o britânico.


Fontes

Britânico testa positivo 43 vezes para covid-19 durante 290 dias