Em 12 anos, fotógrafo montou um painel estonteante da Via Láctea

2 min de leitura
Imagem de: Em 12 anos, fotógrafo montou um painel estonteante da Via Láctea
Imagem: AstroAnarchy/JP Metsavainio/Reprodução
Avatar do autor

Fotografar o céu requer não apenas paciência como também  equipamento adequado e um bom lugar para ver as luzes do firmamento (de preferência, de um observatório para chamar de seu). O astrofotógrafo finlandês Jukka-Pejja Metsavainio dispôs dos três para, ao longo de 12 anos, captar uma dos mais belas e completas imagens da Via Láctea.

A fotografia é, na verdade, um gigantesco mosaico formado por 234 imagens de diferentes áreas da galáxia, totalizando um grande painel de 1,7 gigapixel que mostra cerca de 20 milhões de estrelas em 125 graus do céu noturno, entre as constelações de Touro e do Cisne. (Clique nas imagens para vê-las em alta resolução.)

O pedaço do céu captado pelo fotógrafo finlandês.O pedaço do céu captado pelo fotógrafo finlandês.Fonte:  JP Metsavainio/Reprodução 

“Acho que esta é a primeira imagem que mostra a Via Láctea nesta resolução e profundidade em todos os canais de cores”, disse Metsavainio ao site PetaPixel.

Depois de juntar as imagens, o fotógrafo precisou ainda preencher os espaços que faltavam, usando as estrelas compartilhadas por cada foto e sobrepondo-as para que se alinhassem perfeitamente – todo o processo foi feito no editor de imagens Photoshop.

O painel foi montado juntando-se e sobrepondo inúmeras imagens captadas separadamente.O painel foi montado juntando-se e sobrepondo inúmeras imagens captadas separadamente.Fonte:  JP Metsavainio/Reprodução 

Perfeitamente identificáveis

“Meu fluxo de trabalho de processamento é constante, então poucos ajustes foram necessários entre os painéis do mosaico. Fotografei os dados que faltam ao longo dos anos e, ano passado, publiquei o que já estava pronto”, escreveu ele em seu blog, Astro Anarchy.

Os principais corpos celestes que estão no painel estelar de Metsavainio.Os principais corpos celestes que estão no painel estelar de Metsavainio.Fonte:  JP Metsavainio/Reprodução 

Segundo ele, algumas regiões do espaço demandaram mais tempo de exposição do que outros. “Existem alguns objetos extremamente escuros perfeitamente identificáveis na composição, como um remanescente de supernova W63, que aparece como um anel azul claro. Passei cerca de cem horas apenas nesta imagem.”

“Outro grande e tênue remanescente de uma supernova na constelação do Cisne pode ser visto próximo à borda direita da imagem: a G65.5 + 5.7 é tão grande quanto a nebulosa do Véu, e foram necessárias 60 horas de exposição para captá-la.”  Esta e outras imagens, por conta do gigantesco tamanho da composição, acabaram ficando de fora da montagem final, que você confere abaixo.

A Via Láctea, entre as constelações de Touro e do Cisne.A Via Láctea, entre as constelações de Touro e do Cisne.Fonte:  JP Metsavainio/Reprodução 

Experimentos em outras dimensões

Para quem curte equipamento fotográfico, aqui vai o que Metsavainio usou: “Até 2014, tinha um antigo telescópio Meade LX200 GPS 12“, com uma câmera QHY9 acoplada, lentes Canon EF 200mm f / 1.8 e um conjunto de filtros de banda estreita Baader. Depois de 2014, passei para um telescópio Celestron EDGE 11, câmera astro Apogee Alta U16 com lente Tokina AT-X 200 mm f / 2.8 e o conjunto de filtros de banda estreita quadrada de 50mm Astrodon", disse ele.

O equipamento que Metsavainio chama de "monstro Frankenstein", por conta das inúmeras adaptações que ele teve que fazer para que o conjunto funcionasse.O equipamento que Metsavainio chama de "monstro Frankenstein", por conta das inúmeras adaptações que ele teve que fazer para que o conjunto funcionasse.Fonte:  JP Metsavainio/Reprodução 

Metsavainio é, pelo que se pode ver por suas redes sociais, um apaixonado pelo cosmos. Seu equipamento está montado em um observatório minúsculo, no centro da cidade finlandesa de Oulu, a 170 quilômetros ao sul do Ártico. Em duas décadas de trabalho, ele criou suas próprias técnicas para capturar imagens do céu.

O observatório onde o fotógrafo trabalha mede apenas 2,25 m x 2,27m.O observatório onde o fotógrafo trabalha mede apenas 2,25 m x 2,27m.Fonte:  JP Metsavainio/Reprodução 

O trabalho de Metsavainio pode ser visto também no YouTube, onde ele compartilha imagens tridimensionais de objetos como da Nebulosa Crescente (NGC 6888), na constelação do Cisne, a cinco mil anos-luz da Terra.

Da Nebulosa do Véu ele chamou de 4D por retroceder no tempo e mostrar a explosão da supernova.

“Gosto de poder revelar algumas das belezas ocultas do nosso Universo”, diz o fotógrafo.

Em 12 anos, fotógrafo montou um painel estonteante da Via Láctea