CoronaVac é eficaz contra a variante brasileira, sugere estudo

1 min de leitura
Imagem de: CoronaVac é eficaz contra a variante brasileira, sugere estudo
Imagem: Xinhua/Reprodução
Avatar do autor

Dados preliminares de um estudo realizado pelo Instituto Butantan apontam que a vacina CoronaVac é eficaz contra a variante brasileira do novo coronavírus, identificada pela primeira vez na cidade de Manaus (Amazonas), conforme relatou a Reuters.

Uma fonte ouvida pela agência de notícias afirmou que o estudo clínico envolveu a coleta de amostras de sangue de pessoas vacinadas com o imunizante utilizado pelo Ministério da Saúde, produzido pelo laboratório chinês Sinovac, cuja instituição parceira no Brasil é o Butantan.

Na sequência, essas amostras foram testadas contra a variante de Manaus, também conhecida como P.1, e os resultados indicaram que os anticorpos produzidos pela CoronaVac se mostraram eficazes contra a cepa, de acordo com a publicação. O estudo ainda passará por ampliação para obter dados definitivos, quando então deverá ser publicado.

Mais de 16 milhões de doses da CoronaVac já foram distribuídas no Brasil.Mais de 16 milhões de doses da CoronaVac já foram distribuídas no Brasil.Fonte:  Freepik 

A variante brasileira tem sido apontada, em pesquisas recentes, como uma cepa mais transmissível e com capacidade de reinfectar quem já teve covid-19. Ela seria a culpada pela explosão de casos da doença nas últimas semanas em todo o país, levando à retomada de medidas restritivas para conter a transmissão do Sars-CoV-2.

Vacina de Oxford também protege contra a cepa P.1

A vacina produzida pelo consórcio Oxford/AstraZeneca também é eficaz contra a variante de Manaus, de acordo com o diretor da Bio-Manguinhos Maurício Zuma, responsável pela unidade da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) que produz o imunizante no Brasil.

Conforme Zuma, a eficácia contra a variante P.1 foi identificada em estudos feitos pela Universidade de Oxford e o laboratório AstraZeneca, cujos resultados serão divulgados até o fim desta semana.

O imunizante está incluído no Plano Nacional de Imunização do governo federal, tendo 4 milhões de doses distribuídas até o momento, todas elas importadas da Índia. As primeiras ampolas envasadas pela Fiocruz devem ser entregues ao Ministério da Saúde ainda em março.