Índia autoriza envio da vacina de Oxford para o Brasil

1 min de leitura
Imagem de: Índia autoriza envio da vacina de Oxford para o Brasil
Imagem: Rawpixel
Avatar do autor

O governo da Índia confirmou nesta quinta-feira (21) que começará a exportar as doses da vacina de Oxford produzidas no território indiano a partir de sexta-feira (22), atendendo às solicitações feitas em todo o mundo. Brasil e Marrocos serão os primeiros países a receber o imunizante contra o novo coronavírus.

Em entrevista à Reuters, o secretário das Relações Exteriores da Índia Harsh Vardhan Shringla comentou que as autoridades locais suspenderam a exportação até o país iniciar o seu próprio programa de vacinação, fato ocorrido no último fim de semana, quando a população do país passou a ser atendida.

Já no início desta semana, o governo indiano iniciou o atendimento aos países vizinhos, como Nepal, Butão, Bangladesh e Maldivas, que receberam cargas gratuitas. E a partir de agora, terão início as exportações comerciais, com o envio das doses para quem contratou o serviço — África do Sul e Arábia Saudita são os próximos da fila, após os dois primeiros.

A vacina já teve o uso emergencial aprovado pela Anvisa.A vacina já teve o uso emergencial aprovado pela Anvisa.Fonte:  Rawpixel 

A vacina contra covid-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca é fabricada pelo Instituto Serum da Índia, considerado o maior produtor de vacinas do planeta. Nesta quinta, um dos prédios do laboratório na cidade de Pune foi atingido por um incêndio, que não afetou o setor de produção das doses mas deixou pelo menos cinco mortos.

Chegada prevista para sábado

De acordo com o G1, as doses da vacina de Oxford enviadas da Índia para o Brasil devem desembarcar no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, neste sábado (23). De lá, elas irão para a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, onde serão etiquetadas e armazenadas, para distribuição posterior.

A chegada da carga de 2 milhões de doses do imunizante era esperada na semana passada, para que elas já fossem utilizadas nos primeiros dias de atendimento à população, juntamente com a CoronaVac, fornecida pelo Instituto Butantan.