Ao vivo: China vai à Lua hoje (23) e trará 'lembrancinhas'; assista aqui

1 min de leitura
Imagem de: Ao vivo: China vai à Lua hoje (23) e trará 'lembrancinhas'; assista aqui
Imagem: Reprodução
Avatar do autor

Buscando se tornar o terceiro país do mundo a trazer amostras da Lua para a Terra, a China se prepara para lançar o foguete Longa Marcha 5 Chang'e-5 – e já o posicionou na plataforma do Centro de Lançamento de Satélites Wenchang. A expectativa é que a decolagem ocorra hoje (23) às 17h25 no horário de Brasília. Devido ao tamanho avantajado do equipamento (878 toneladas), foram necessárias duas horas para a finalização do processo, que ocorreu na segunda-feira (16).

O país asiático se dedica desde setembro aos preparativos do evento, algo esperado desde 2017, época em que uma tentativa malsucedida postergou os planos só agora postos em prática. A confiança, desta vez, reside no fato de que, em julho deste ano, a Tianwen-1, com destino a Marte, funcionou adequadamente.

Assita ao lançamento ao vivo no vídeo abaixo:

Se tudo der certo, o Chang'e-5 aterrissará próximo a uma formação vulcânica lunar localizada em Oceanus Procellarum, uma região da borda oeste do satélite natural que contém unidades geológicas de cerca de 1,21 bilhão de anos – bem mais novas que as trazidas pelos astronautas do programa Apollo, com idade entre 3,1 e 4,4 bilhões de anos.

Para coletar os cerca de 2 kg de amostras por meio de perfurações de 2 metros de profundidade, alguns desafios terão de ser superados – e eles não são nada modestos.

China quer se tornar o 3º país do mundo a trazer amostras da Lua.China quer se tornar o 3º país do mundo a trazer amostras da Lua.Fonte:

Para tudo tem uma primeira vez

De acordo com Yu Dengyun, designer-chefe adjunto do programa de exploração lunar da China, o obstáculo principal da missão diz respeito à coleta das rochas: "A gravidade da Lua é diferente da encontrada na Terra, representando cerca de 1/6. Nessas circunstâncias, empacotar as amostras é o ponto-chave a ser trabalhado. Nunca tentamos isso antes."

"Além disso, normalmente concluímos o lançamento do foguete na Terra em um ponto fixo. Temos uma técnica comprovada neste campo. Entretanto, ainda temos dificuldades na decolagem a partir do módulo de pouso, algo inédito em nossa história", complementa.

No caso de qualquer adversidade, já existe o Chang’e-6, que, se necessário, oferecerá backup ao equipamento já a postos; não sendo utilizado desta vez, será direcionado a uma missão em 2023, rumo ao polo sul lunar.

Outros empreendimentos para a construção de uma estação de pesquisa por lá já estão em andamento – mas, claro, tudo depende do desenrolar da história que começa na semana que vem.

Ao vivo: China vai à Lua hoje (23) e trará 'lembrancinhas'; assista aqui