O carro-foguete que pretende chegar a mais de 1.600 km/h foi anunciado em 2008. Mas os engenheiros do projeto Bloodhound não estão preocupados apenas com o desenvolvimento de um sistema arrojado de streaming de vídeos ou com a criação de um mecanismo poderoso de desaceleração. As condições de segurança às quais o piloto inglês Andy Green vai ser submetido são também preocupação dos especialistas envolvidos na empreitada.

Publicado nesta semana pelo canal oficial do carro supersônico Bloodhound SSC, o vídeo postado acima mostra a forma com que a cabine do motorista reagiria quando atingida por um projétil a mais de 3.200 km/h. O tiro foi disparado dentro dos laboratórios da Morgan Advanced Materials contra a carcaça do veículo, o resultado é de fato impressionante.

O material da cabine que vai proteger o piloto inglês resistiu com sucesso ao teste.

Para se ter uma ideia do quão pesada será a força gravitacional durante a tentativa de quebra do recorde de velocidade em terra, um saco de açúcar foi mencionado pelos cientistas. “Se um saco de açúcar de 1 kg estivesse no centro da roda de alumínio sólido do Bloodhound SSC, o peso total da roda seria de 50 toneladas”, explicam os pesquisadores.

Desenvolvido também pela equipe da Morgan, o painel balístico que vai proteger Andy Green é composto por milhões de camadas de fibras de vidro e de carbono. Como a cabine reagiria se fosse atingida por uma pedra ou, quiçá, até mesmo por um pedaço de roda que viesse a se soltar durante os testes? A invenção do Project Bloodhound não só resistiu ao teste como se manteve firme ao ser baleada por um projétil ao dobro da velocidade que o carro supersônico deverá atingir. Saiba mais sobre a ousada empreitada nesta página.