O Bloodhound é um projeto de automóvel supersônico surgido em 2008. A meta de seus criadores é alcançar a marca de 1.600 km/h, o que ultrapassaria a barreira do som e bateria o recorde mundial estabelecido na década de 90 — se você quer saber mais sobre ele, pode clicar aqui.

Por trás do projeto, se encontra uma grande equipe formada por empresas, instituições de ensino, governo inglês, exército e a Força Aérea Real britânica. Neste momento, o esforço dos envolvidos é descobrir como o carro vai se comportar durante a corrida antes de colocar uma pessoa lá dentro.

Esta dúvida, provavelmente, é a mais importante. Basta apenas um deslize na construção para o Bloodhound decolar ou afundar na terra durante os testes.

Técnicas

Dois tipos de estudos ajudam a determinar o resultado. O primeiro deles utiliza modelagem computacional. Usando um programa de dinâmica de fluidos, os engenheiros podem precisar o que vai acontecer quando o veículo se aproximar dos 1,6 mil km/h.

Já o segundo utiliza um túnel de vento — como você pode ver na imagem. Essa parte foi realizada pelo engenheiro Dr. Ben Evans, com dois brinquedos que simulam as formas do Bloodhound. Ao colocar um voltado para o outro e "soprar" fortes rajadas de vento, os carrinhos mimetizam uma situação real.

Porém, apesar de divertido, parece que a equipe por trás do Bloodhound vai se basear nos estudos feitos pelos PCs. Isso porque é extremamente sensível saber o quão alinhado está o carro — lembre-se, há um piloto lá dentro —, e, como você pode ver nas imagens, as camadas formadas no túnel de vento são assimétricas.