Já sabemos: a tecnologia evolui a ritmo exponencial. Significa que, de uma semana para a outra, projetos de veículos voadores, redes de tubos subterrâneos que ligam países uns aos outros ou de colônias em Marte, por exemplo, podem se tornar realidade. Fato é que uma das pautas mais discutidas da atualidade refere-se ao desenvolvimento de automóveis autônomos, que deverão se constituir como precursores a uma nova geração dos de veículos.

Diversos empecilhos, porém, ainda truncam pesquisas relacionadas a este tema (saiba mais aqui). Mas se depender do governo britânico, um dos principais entraves encarados pelos engenheiros logo será eliminado. Acontece que os tão cobiçados testes em vias públicas foram liberados pelo Departamento de Transporte do Reino Unido; sob a visão dos políticos, os protótipos são seguros o suficiente para que avaliações em avenidas abertas sejam realizadas.

A consolidação da parceria entre órgãos privados e públicos se deu após negociações iniciadas pelo grupo R&D. Veículos autônomos poderão, assim, transitar em locais comuns desde que observadas condições como a presença de um motorista junto dos carros e o respeito às regras de trânsito de cada região. “os testes representam uma fantástica oportunidade para este país no sentindo de liderarmos o desenvolvimento desta nova tecnologia”, comentou Claire Perry, ministra do departamento de transportes britânico.

Não se sabe ainda quais empresas vão conduzir os testes. Locais próximas a Londres deverão se constituir como palco às futuras aplicações práticas dos cientistas. Vale destacar que o Reino Unido é o primeiro país da Europa a autorizar a condução de testes de carros autônomos em vias públicas; as avaliações poderão ser “amplamente feitas” a partir de 2017.

Um carro que “dá a mão” a pedestres

As companhias responsáveis pela “fase Beta” do projeto são desconhecidas, é verdade. A Google, naturalmente, é uma das favoritas – saiba mais sobre o carro inteligente da Gigante das Buscas nesta página. Mas um projeto apresentado pelo Grupo RDM tem chamado a atenção: divulgado recentemente, o Lutz é um carro que pretende “dar a mão” a pedestres.

O design do veículo é bastante peculiar: calotas futuristas, um largo para-brisas, dimensões pequenas e um motor modesto são algumas das características. O conceito consiste em fazer com que o automóvel circule sem quaisquer problemas junto de pedestres, por calçadas, praças e parques, por exemplo – a circulação de Lutz por ruas tradicionais não é dispensada.

A velocidade do protótipo pode chegar cerca de 25 km mesmo lotado (até duas pessoas podem ser transportadas). Com carga total, 70 quilômetros podem ser percorridos; o uso pode ser feito por até seis horas. Estas especificações fazem de Lutz um carro ideal para trajetos curtos – como no interior de faculdades ou instalações públicas grandes.

Mais de dez sensores LIDAR e seis câmeras ficam responsáveis pelos “sentidos” do veículo; imagens em 360º podem ser geradas para que a localização e navegação sejam realizadas de forma precisa.