A própria Google já tratou de fazer a previsão: “carros autônomos serão realidade somente daqui a cinco anos” (veja mais aqui). Mas o trajeto até este ousado objetivo parece distante. É que obstáculos como chuva, névoa ou até mesmo buracos ainda truncam o desenvolvimento de veículos completamente inteligentes.

Prova disso foi a competição promovida pela Hyundai na Coreia do Sul. Sob o nome de Future Automobile Technology Competition, a disputa colocou as invenções de 12 times para trabalhar. Circuitos com limite de velocidade, cones sinalizadores, curvas e estacionamento foram percorridos pela dúzia de competidores. Mas somente quatro equipes chegaram até as etapas finais – e uma prova de dois dias foi o teste que mais causou repercussão.

Pista molhada

Além do trajeto estipulado, obstáculos como areia, fumaça, neve e neblina tiveram de ser encarados pelos veículos autônomos... O segundo dia de competição, porém, reservou um elemento surpresa aos times: chuva. O sistema desenvolvido pela KAIST apresentou vários problemas em seus sensores de reconhecimento. Confira o vídeo abaixo.

A performance do carro afetado pela chuva pode ser conferido no vídeo acima. Note que, ao tempo de 4:15, uma falha na configuração da câmera faz com que uma curva não seja percorrida de modo correto. Um erro na detecção de zona de curva à marca dos 5:40 faz também com que o veículo seja parado. É que os sensores dependem de uma visão limpa para trabalhar.

A mesma prova, o mesmo carro e os mesmos sensores são exibidos pelo vídeo sobre este parágrafo. A diferença é que a pista estava seca. Um clipe de comparação lado a lado foi disponibilizado pela IEE – clique neste link para visualizá-lo (à esquerda, o dia de chuva é mostrado; à direita, a prova executada sem interferência do elemento exterior pode ser acompanhada).