Junte todas as suas referências de ficção científica — de “O Quinto Elemento”, passando por “Os Jetsons”, “Star Wars”, até “De Volta Para o Futuro” — e se prepare para este anúncio. A empresa americana Terrafugia, que já vem exibindo um híbrido de carro-avião chamado Transition, agendou para 2016 o lançamento de seu veículo — que custará US$ 279 mil e poderá ser usado nas ruas e  nos céus.

Quando imaginamos um mundo com carros voadores, a tecnologia é a parte mais fácil de se prever. A parte difícil é saber como as pessoas vão reagir. Órgãos de regulamentação e consumidores provavelmente ficarão divididos entre a oportunidade de realizar o sonho de voar e todo o perigo de ter mais gente pilotando nas alturas.

Na prática

O Transition foi projetado para estar pronto para a estrada, para o ar e para uma residência comum. Ele cabe em uma garagem caseira comum e funciona com controles compreensíveis a qualquer um com uma carteira de motorista.

O usuário, porém, não poderá voar sobre a cidade pela manhã, indo ao trabalho. O que carro poderá fazer é, quando levado a um dos 5 mil aeroportos públicos dos Estados Unidos, se converter em segundos em um avião.

É claro que para isso será necessário uma habilitação de piloto — uma habilitação de piloto esportivo, especificamente. Apesar do peso do Transition, a Administração Federal de Aviação dos EUA (FAA) já o aprovou como uma Aeronave Leve Esportiva (ALE ou LSA). Para operar uma dessas, o piloto precisará ter apenas 20 horas de tempo de voo.

Recursos de segurança

O cofundador da Terrafugia Carl Dietrich diz que o veículo é de fácil uso e possui os recursos de segurança adequados, e que eles estão recebendo muito suporte da FAA, pois estão trazendo novas tecnologias de segurança para a indústria de aviação geral. O Transition será equipado com uma caixa segura e uma zona de deformação, além de airbags para o motorista-piloto e seu passageiro — assim como em um carro comum.

Além da tecnologia automotiva de segurança, o Transition também contará com uma “visão sintética”, mostrando uma imagem renderizada em computador de todo o terreno ao redor do local onde o usuário estiver voando — algo que será útil em dias com muita neblina. O “carro-avião” também virá com uma espécie de paraquedas embutido. Caso algo dê errado, basta puxar uma alavanca e cair com o veículo de forma mais leve no solo.

Dietrich diz que eles planejam fazer o marketing sobre o produto como um avião muito fácil de pilotar. “A boa notícia é que nós temos trabalhado nisso por oito anos e estamos a apenas dois anos de lançarmos o produto”, explica.

TF-X, o sucessor

Qual é o próximo passo da empresa? O TF-X, um carro elétrico híbrido que tem uma asa fixada, condução elétrica no solo, assistência elétrica de decolagem e sistema de pouso automático.

Ainda em desenvolvimento, o TF-X está sendo projetado para voar a 320 km/h, chegando a essa velocidade e em menos de 20 segundos através de motores elétricos de VTOL, muito mais silenciosos que os rotores tradicionais.

O TF-X será um veículo semiautônomo. Dietrich prevê que seus pilotos precisarão de menos de cinco horas de treino. Tudo isso nos leva a imaginar que os carros voadores podem se espalhar por aí muito rápido, mas nossos papéis em sua pilotagem certamente vai diminuir.