Os carros superesportivos e hiperesportivos podem até não ter as mesmas funcionalidades tecnológicas que a gente vê nos carros da Tesla, por exemplo, mas isso não significa que eles não sejam um milagre por si só ou que sua concepção não esteja cercada por geringonças e testes que utilizam muita tecnologia – para o bem ou para o mal.

Um ótimo exemplo disso é a forma como a Bugatti testou o motor W16 quadri-turbo de 1.500 cavalos do Chiron: usando um dinamômetro adaptado em uma plataforma giratória que serve para simular nos mínimos detalhes uma volta no em Nürburgring Nordschleife, o conhecido e tradicional circuito que serve também de templo para os testes dos carros esportivos da maior parte das marcas do mundo.

Pra você que não conhece: o percurso de Nordschleife, ou o Anel Norte, é um circuito de 20 quilômetros de extensão e que foi a casa do Grande Prêmio da Alemanha de Fórmula 1 até 1976, ano que marcou também o terrível acidente com o piloto austríaco e tricampeão Niki Lauda – e a gente recomenda que você assista ao filme "Rush".

objetivo do teste nessa plataforma é exercer as forças de variação de altitude e direção de um dos circuitos mais desafiadores do planeta e verificar se, com todo esse movimento, existe alguma chance de haver problemas de alimentação de óleo ou qualquer outro fluido do motor – tudo isso sem a parte legal de, sabe, dirigir.

Um trecho (bem pequeno) do percurso de 20 quilômetros de Nordschleife

Por outro lado, esse tipo de teste economiza diversos custos relacionados à logística de levar um carro até a Alemanha, além do uso de alguns jogos de pneus, gasto de combustível e possíveis acidentes – e disso a Koenigsegg manja.

Por outro lado, esse tipo de teste economiza diversos custos relacionados à logística de levar um carro até a Alemanha, o uso de alguns jogos de pneus e possíveis acidentes

Isso não significa que a Bugatti não tenha alguns problemas com esse teste simulado: retirar um motor muito similar do predecessor do Chiron, o Veyron, exigia que o carro fosse praticamente separado ao meio.

A aplicação é muito simples: um automóvel dá uma volta no circuito com uma central que coleta absolutamente todas as informações de telemetria, que depois são despejadas em um computador que, por sua vez, faz a leitura desses dados para que a plataforma simule.

O vídeo abaixo mostra que a Porsche já utilizou o mesmo sistema para testes anteriores:

E não só motores são simulados: a BMW já fez testes imitando o comportamento de pneus e suspensão em uma estrutura bem diferente:

Pode não ter a emoção do carro em movimento, mas que é legal pra caramba de ver, isso é.

Cupons de desconto TecMundo: