As dicas de confecção e escolha de senha são sempre as mesmas: mescle letras, números e símbolos, não use termos óbvios ou sequências de teclas lado a lado no teclado. Mas se nem um dos hackers mais procurados do mundo segue isso, quem devemos tomar como exemplo?

Com 29 anos, Jeremy Hammond já ocupou o topo da lista do FBI de cibercriminosos mais procurados por invadir o servidor de uma gigante da área de segurança. Ele foi preso em 2012 e está no início de uma sentença de dez anos de reclusão. Ele fazia trabalhos menores para membros do Anonymous, mas acabou indo longe demais quando vazou emails e dados pessoais de funcionários da Stratfor. Com a ajuda de Hector Xavier Monsegur, o Sabu, ex-LulzSec e atual informante, o hacker foi identificado e localizado.

Quando o serviço secreto norte-americano invadiu a residência do hacker (veja o sujeito na foto acima), ele conseguiu criptografar o laptop a tempo e achou que nada daria errado. Posteriormente, os dados foram revertidos por "motivos desconhecidos" e o rapaz foi incriminado.

Essa parte da história estava envolta em mistério, mas parece que finalmente foi esclarecida. Em uma entrevista ao Seattle Times, Hammond confessou que a senha que utilizava era "fraca" — na verdade, absurdamente óbvia e fácil, ainda mais para um hacker do nível do rapaz. O código? "Chewy 123", nada mais do que o nome do gato de estimação do jovem seguido dos três primeiros números do teclado.