Os ânimos estão acalorados com a nova declaração do prefeito Fernando Haddad, a Simtetaxi mostrou repúdio e o presidente Antônio Matias mandou seu recado...

Publicado por Táxi em São Paulo em Quinta, 28 de janeiro de 2016

A situação da regulamentação do Uber em São Paulo está cada vez mais tensa. Os taxistas estão inconformados com as últimas atitudes do prefeito Fernando Haddad e, aparentemente, vão tentar fazer justiça com as próprias mãos daqui para frente.

Em um vídeo publicado no Facebook, o presidente do Simtetatxis-SP, Antônio Matias, fez ameaças ao político e aos carros particulares. "A Uber não vai trabalhar em São Paulo, só se for em modal táxi. Em carro particular nós não vamos permitir", afirmou.

Ele ainda falou que as últimas declarações de Haddad sobre a dificuldade de fiscalização do Uber foram a gota d'água. "Não queria briga (...) e a partir de 28 de janeiro de 2016, o senhor está na marca do pênalti, porque eu vou estar na sua cola. (...) Não brinque com essa categoria", ameaça. O presidente alega já ter apreendido mais de 250 carros juntamente com fiscais.

"Acabou a moleza (...), agora é cacete, prefeito", conclui o sindicalista.

Confusão em festa

No dia seguinte, 29 de janeiro, um protesto mostrou que os taxistas vão mesmo partir para cima. Ao final de um baile de Carnaval promovido pela revista "Vogue", em São Paulo, cerca de 200 taxistas cercaram carros pretos que chegavam para buscar convidados. Aos gritos de "Uber", os motoristas corriam em direção ao veículo para xingar, hostilizar e até agredir com pedras quem estivesse ao volante.

Quem ia embora era direcionado aos táxis. A Polícia Militar estaria próxima ao local, mas não chegou a agir. No fim da noite, um fotógrafo ficou ferido e um carro foi depredado.

Quem você acha que está certo, a Uber ou os taxistas? Comente no Fórum do TecMundo