Disney mostra tecnologia que deixa olhos dos robôs mais expressivos [vídeo]

Papillon faz uso de impressão 3D e fibra ótica para transmitir luz com maior precisão em telas curvadas e pode até virar base para próteses de olhos humanos.
  • Visualizações3.381 visualizações
Por Tiago Alcantara Silva em 26 de Julho de 2013

A divisão de pesquisas da Disney detalhou uma nova tecnologia que vai dar olhos mais expressivos para os robôs. O novo recurso da companhia de entretenimento é baseado numa técnica de impressão 3D revelada no ano passado, o Papillon usa feixes de fibras óticas impressos para guiar luz.

Ligando os feixes aos olhos dos robôs, os pesquisadores foram capazes de projetar uma imagem e fazer com que ela aparecesse na outra extremidade. O conceito dos olhos expressivos é, basicamente, o mesmo conceito de internet baseada em fibra. A diferença é que, nesse caso, não são dados que estão percorrendo as fibras óticas, são as emoções que os simpáticos bichinhos foram programados para expressar.

Mais definição em telas curvas

Entre os benefícios de trabalhar com esse tipo de material está a possibilidade de criar telas curvadas de baixo custo: os fabricantes podem produzir uma peça de plástico de diversos formatos e conectar os feixes de fibras na configuração que quiserem.

Disney mostra tecnologia que deixa olhos dos robôs mais expressivos [vídeo] (Fonte da imagem: Divulgação/Disney Research)

O segundo diferencial trazido pelo Papillon é que, como a luz pode ser direcionada de forma precisa, não há a distorção que poderia ocorrer em telas curvadas que usam tecnologias tradicionais, como OLED, por exemplo.

“Papillon é uma tecnologia que é escalável e flexível”, afirmou Ivan Poupyrev, gerente do time de interação da Disney Research Pittsburgh. “Nós vislumbramos ele sendo usado para criar brinquedos interativos, personagens complementares para vide games, robôs e até mesmo em próteses de olho humanas”.

Apesar de promissora, a tecnologia ainda é está em fase de pesquisas e não tem uma data de chegada para o mercado consumidor.

Fonte: Disney Research



Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria?
Colabore com o autor clicando aqui!