Xbox: Microsoft toma bronca da FTC após realizar demissões na Activision Blizzard

2 min de leitura
Imagem de: Xbox: Microsoft toma bronca da FTC após realizar demissões na Activision Blizzard
Imagem: GettyImages

A Federal Trade Commission (FTC), órgão de regulação comercial dos Estados Unidos, fez uma reclamação formal contra a Microsoft. O motivo é a demissão de 1.900 funcionários pela empresa, corte anunciado no final de janeiro de 2024 que afetou principalmente as divisões de Xbox e da Activison Blizzard.

A crítica da FTC alega que a Microsoft age de forma "inconsistente" e, pouco tempo depois da aquisição da Activision Blizzard, não seguiu na prática o que prometeu nos tribunais depois de uma longa troca de acusações entre as partes.

Como resultado, a instituição pede por uma pausa temporária no processo de aquisição até que essas questões sejam devidamente esclarecidas.

A gigante garantiu na época que ela e a Activison Blizzard iriam "operar de forma independente após a aquisição". Segundo a FTC, isso não é compatível com a rodada de cortes, que teve como objetivo manter uma "estrutura de custos sustentável" e possivelmente eliminar cargos duplicados.

Ainda segundo a reclamação, a medida vai contra a fala da Microsoft sobre a aquisição ser vertical em termos de hierarquia e não horizontal, como é comum em uma fusão. Essa foi uma das garantias da empresa para argumentar que a compra não seria uma prática anticompetitiva de mercado, já que envolvia um estúdio de desenvolvimento em uma integração limitada ao conglomerado.

FTC foi uma das opositoras da compra

A compra da Activision Blizzard pela Microsoft envolveu um longo processo de revisão do caso por órgãos reguladores de todo o mundo. A aquisição foi revelada em janeiro de 2022 por quase US$ 70 bilhões e foi confirmada apenas em outubro do ano seguinte, perto do prazo final.

Phil Spencer, chefe do Xbox, foi quem divulgou as demissões no começo de 2024.Phil Spencer, chefe do Xbox, foi quem divulgou as demissões no começo de 2024.Fonte:  GettyImages 

Assim como a CMA, que é a entidade reguladora de mercado do Reino Unido, a FTC chegou a ameaçar a negociação. No final de 2022, ela negou a compra por riscos de monopólio no mercado e chegou a entrar na Justiça para impedir o avanço do processo.

Entretanto, a Microsoft conseguiu vencer a ação judicial e concluiu a compra no país, mesmo não tendo o aval integral da instituição. O documento oficial com a crítica da FTC pode ser conferido na íntegra neste link (em inglês).

O Tribunal de Apelação de San Francisco, onde a reclamação foi oficializada, ainda não se manifestou sobre o caso. A Microsoft também não comentou o assunto até o momento.

Fontes

Você sabia que o TecMundo está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.