Zoom admite que suspendeu contas ativistas a pedido da China

1 min de leitura
Imagem de: Zoom admite que suspendeu contas ativistas a pedido da China
Imagem: Pixabay
Avatar do autor

A Zoom confirmou, nessa semana, que, a pedido do governo chinês, suspendeu contas relacionadas a ativistas. Além disso, salientou que não forneceu dado algum às autoridades do país asiático. Ainda assim, terá de esclarecer o que exatamente ocorreu para legisladores dos Estados Unidos.

Zhou Fengsuo, fundador da Humanitarian China, organização sem fins lucrativos dos EUA, e ex-líder estudantil dos protestos de Tiananmen, relatou que, no dia 31 de maio, sediou um evento por meio de uma conta paga para homenagear o 31º aniversário do Protesto na Praça da Paz Celestial, manifestação de estudantes que resultou em milhares de mortos e feridos por forças do governo em 1989, em Pequim. Entretanto, em 7 de junho, foi banido da plataforma.

Plataforma terá de fornecer explicações sobre a intervenção.Plataforma terá de fornecer explicações sobre a intervenção.Fonte:  The Intercept 

Censura e responsabilidade

Como resposta, a empresa divulgou um comunicado oficial, afirmando que apenas cumpre determinações governamentais locais para proporcionar a melhor experiência a seus usuários, não interferindo, portanto, em políticas internas, uma vez “não é seu papel alterar legislações a respeito da liberdade de expressão”.  Entretanto, a suposta censura ocorreu em território norte-americano, não no país asiático.

Como medida para evitar futuras situações semelhantes, a plataforma declarou estar se dedicando a tecnologias que possibilitem o bloqueio de conteúdos com base em georreferenciamento. Ela também negou ter utilizado qualquer ferramenta de espionagem para realizar a intervenção e defendeu a própria decisão, explicando que não poderia, no momento, selecionar participantes específicos ligados à iniciativa.

Outros dois ativistas passaram pela mesma situação, e todas as contas foram restauradas. Zhou Fengsuo declarou: “A companhia não pode se safar com uma simples nota de esclarecimento. Continuaremos a usar os meios legais e a opinião pública para que a Zoom assuma a responsabilidade por seu erro”.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Zoom admite que suspendeu contas ativistas a pedido da China