Criadora do Pegasus suspende uso do spyware por alguns governos

1 min de leitura
Imagem de: Criadora do Pegasus suspende uso do spyware por alguns governos
Imagem: The Hacker News
Avatar do autor

Após sofrer uma inspeção por autoridades israelenses na quarta-feira (28), o grupo NSO Technologies negou as notícias divulgadas na mídia de que seu software de vigilância remota de smartphones Pegasus foi utilizado por governos para espionar jornalistas e defensores de direitos humanos. No entanto, a empresa optou por suspender o serviço a alguns de seus clientes após os relatos.

As suspensões aconteceram após uma extensa investigação realizada por um consórcio de meios de comunicação. Relatos publicados pela imprensa do mundo inteiro relataram conexões do spyware com diversos casos de hacks e vigilância ilegal de celulares de jornalistas, ativistas de direitos e até chefes de estado.

Após a repercussão das notícias, funcionários do Ministério da Defesa de Israel visitaram o escritório do NSO na cidade de Herzliya, distrito de Tel Aviv, "para avaliar as alegações levantadas em relação à empresa", conforme o órgão governamental. Um funcionário da companhia falou ao site NPR que o grupo de tecnologia estava cooperando com a investigação e buscava provar que as pessoas citadas não foram espionadas pelo Pegasus.

Quais governos utilizam o programa espião?

Fonte: JNS - ISRASWISS/ReproduçãoFonte: JNS - ISRASWISS/ReproduçãoFonte: JNS - ISRASWISS

Embora suas regras internas de confidencialidade impeçam nomear seus clientes, o NSO admite atender 60 usuários em 40 países, todos eles agências de inteligência, órgãos aplicadores da lei e militares. Após confirmar alguns abusos apontados pela mídia, a empresa bloqueou o uso do spyware a cinco agências governamentais, sendo duas no ano passado.

De acordo com o Washington Post, os clientes suspensos foram: Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e alguns órgãos de segurança do México. O consórcio de imprensa afirma que o presidente francês Emmanuel Macron e a noiva do jornalista saudita Jamal Khashoggi tiveram seus celulares hackeados pelo Pegasus. Mas o NSO nega que os dois casos tenham alguma relação com o seu programa espião.

Nesta semana, a Apple liberou uma correção de segurança, após detectar o Pegasus infiltrado em um iPhone, explorando uma falha de dia zero do iOS 14.6.

Fontes