FTC investiga Oculus da Meta por práticas anticompetitivas

1 min de leitura
Imagem de: FTC investiga Oculus da Meta por práticas anticompetitivas
Imagem: Meta/Reprodução

A Federal Trade Commission (FTC), que supervisiona e monitora o comércio justo nos Estados Unidos, começou a investigar a marca de desenvolvimento de realidade virtual (RV) da Meta, Oculus, por violar as leis antitruste, de acordo com informações divulgadas pela Bloomberg.

Além do órgão federal dos EUA, procuradores gerais de três estados — Nova York, Tennessee e Carolina do Norte — entrevistaram trabalhadores terceirizados que desenvolveram aplicativos de RV para a plataforma Oculus nos últimos meses. O objetivo é analisar como a Meta está alavancando o poder de mercado para construir práticas anticompetitivas.

O grupo de pesquisa aponta que o preço de venda dos headsets da marca Oculus é menor do que o dos produtos dos concorrentes. O carro-chefe da Meta, o Oculus Quest 2, custa a partir de US$ 299, bem mais barato que alguns modelos vendidos por seu concorrente HTC.

De acordo com a empresa de pesquisa Counterpoint Research, o Oculus foi responsável por 75% das remessas mundiais de dispositivos para realidade virtual no primeiro trimestre de 2021, aumentando sua participação em 35% ano a ano.

Exemplos de práticas anticompetitivas

Meta teria copiado aplicativos desenvolvidos por concorrentes em seu Oculus. (Fonte: PxHere/Reprodução)Meta teria copiado aplicativos desenvolvidos por concorrentes em seu Oculus. (Fonte: PxHere/Reprodução)Fonte:  PxHere/Reprodução 

Desenvolvedores de aplicativos de RV de concorrentes reclamaram que Meta está usando o poder de mercado para interferir em empresas que oferecem jogos e serviços que competem com o Oculus. A empresa de Mark Zuckerberg estaria copiando ideias promissoras e dificultando que alguns aplicativos funcionem corretamente em sua plataforma.

O site Bloomberg cita uma empresa chamada Yur, que lançou um aplicativo de fitness para a plataforma Oculus em 2019, como exemplo de uma empresa afetada pelas práticas anticompetitivas da Meta. Segundo informações do veículo, o Facebook atualizou seu software para impedir que a tecnologia da startup operasse dentro de seu ecossistema de realidade virtual e, posteriormente, lançou o aplicativo de fitness Oculus Move.

Outro desenvolvedor, Guy Godin, disse que estava criando um aplicativo de desktop virtual para Oculus que pode transmitir conteúdo de um PC para um headset RV. No entanto, os usuários foram forçados a excluir o aplicativo de desktop virtual depois de receber uma notificação da Meta. Logo depois, a empresa de Zuckerberg liberou o Oculus Link, com funcionalidade semelhante.