TSE solicita dados de disseminadores de fake news ao Twitter

1 min de leitura
Imagem de: TSE solicita dados de disseminadores de fake news ao Twitter
Imagem: Pixabay
Avatar do autor

O corregedor-geral da Justiça Eleitoral Luis Felipe Salomão solicitou ao Twitter a divulgação dos dados das pessoas que usaram a rede social para disseminar fake news sobre as eleições no Brasil. A plataforma tem um prazo de 15 dias para enviar as informações, contados a partir dessa segunda-feira (25), de acordo com o G1.

As provas solicitadas por Salomão, que também é ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), serão utilizadas para aprofundar as investigações de um inquérito iniciado em agosto. O processo objetiva apurar os ataques ao sistema eletrônico de votação em relação às eleições de 2018, a partir de declarações do presidente Jair Bolsonaro.

Um pedido ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes também foi feito pelo corregedor, solicitando o compartilhamento das provas colhidas nos “Inquéritos das Fake News” em tramitação na Corte. Neste caso, as investigações abrangem os ataques à Justiça Eleitoral nos atos preparatórios e nas manifestações de 7 de setembro.

A investigação iniciada pelo TSE contempla também o uso de perfis em várias outras redes sociais.A investigação iniciada pelo TSE contempla também o uso de perfis em várias outras redes sociais.Fonte:  Pixabay 

Salomão já havia determinado o bloqueio de repasses de valores a vários canais investigados pela propagação de notícias falsas relacionadas às eleições. A ação envolveu perfis no YouTube, Twitter, Facebook, Instagram e Twitch, inicialmente, e depois incluiu ainda contas na plataforma Gettr.

Dados que deverão ser repassados às autoridades

As informações solicitadas pelo ministro do TSE ao Twitter incluem:

  • Dados cadastrais de usuários da rede de microblog, inclusive IPs, que foram responsáveis pela primeira postagem de hashtags sobre o tema.
  • Detalhes sobre a evolução da postagem das hashtags, com intervalo a cada 15 minutos.
  • Planilha informando nome do perfil, data, horário e conteúdo falso compartilhado na rede social.

Os dados solicitados pelo TSE ao Twitter deverão ser repassados à Polícia Federal e incluídos nas investigações.