Sites para saber se uma notícia é fato ou fake

3 min de leitura
Imagem de: Sites para saber se uma notícia é fato ou fake
Imagem: Unsplash/Reprodução
Avatar do autor

Em tempos de fake news, é preciso ter um cuidado extra com as notícias que consumimos e, sobretudo, compartilhamos. Contudo, nem sempre é fácil confirmar a veracidade de uma informação. Na verdade, é muito fácil ser levado ao erro atualmente, afinal até mesmo veículos grandes já cometeram a gafe de compartilhar notícias falsas ou com títulos chamativos que não condizem com o conteúdo da matéria.

Pensando na urgente necessidade de proteção contra as fake news, nós do TecMundo elaboramos uma seleção de sites que podem auxiliar nessa tarefa desafiadora, bem como algumas dicas que, embora simples, são extremamente úteis.

Sites que checam fake news

A maneira mais rápida e prática de checar notícias é consultando páginas especializadas. A seguir, confira algumas das principais:

E-Farsas

Notícias apuradas do E-Farsas.Notícias apuradas do E-Farsas.Fonte:  Kris Gaiato/Reprodução 

Um dos sites mais populares nesse meio, o E-Farsas foi lançado em 2001 e é um precursor na checagem de informações, ao lado de outras páginas famosas. A plataforma é responsável por analisar, sobretudo, boatos que surgem na internet. Após uma avaliação minuciosa, é publicado um post explicativo para que todos tenham acesso. Além disso, é possível enviar uma sugestão de notícia para o site neste link.

Fato ou Fake

Idealizado pelo grupo Globo, o Fato ou Fake tem como foco a apuração de notícias falsas veiculadas na internet e conta com uma equipe de peso, composta por jornalistas de grandes veículos como Época, Extra, G1, CBN, TV Globo, GloboNews, Jornal O Globo e Valor Econômico. Para contatar os especialistas, visite a página oficial do Facebook ou envie uma mensagem pelo WhatsApp ao número (21) 97305-9827.

Agência Pública — Truco

Página inicial do site Agência Pública.Página inicial do site Agência Pública.Fonte:  Kris Gaiato/Reprodução 

Essa agência foi desenvolvida em 2011 por mulheres jornalistas e se caracteriza como uma instituição sem fins lucrativos. Em defesa da Administração Pública e dos direitos humanos, a equipe analisa falas de políticos, categorizando-as em: verdadeiras, sem contexto, discutíveis, exageradas, subestimadas, falsas ou impossíveis de verificar. Para conferir as apurações e enviar uma sugestão, clique aqui.

Agência Lupa

Precursora assim como o E-Farsas, a Agência Lupa inaugurou o setor de checagem de fatos no Brasil. Com foco em notícias compartilhadas em períodos eleitorais, a página é ligada à Folha de S.Paulo. Caso queira contatar a equipe, acesse a página do Facebook e envie uma mensagem pelo Messenger.

Fake Check

Página inicial do site Fake Check.Página inicial do site Fake Check.Fonte:  Kris Gaiato/Reprodução 

A plataforma Fake Check surgiu de uma parceria entre pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Ao contrário de uma agência de checagem comum, esse site utiliza tecnologias mais sofisticadas, como aprendizagem de máquina e inteligência artificial. Para entrar em contato, envie uma mensagem para o bot do WhatsApp pelo número (16) 98112-8986.

Como não ser enganado?

Embora agências de checagem — e ferramentas semelhantes — sejam uma grande ajuda, existem certas medidas que você sempre deve tomar para evitar as famosas, porém temidas, fake news.

Como já mencionado, é preciso se atentar ao título das notícias, uma vez que muitos deles são sensacionalistas ou utilizam a técnica de click bait, focada em atrair leitores e gerar acessos sem, necessariamente, corresponder de modo fiel ao conteúdo. Nesse caso, seja crítico em relação às informações, conferindo-as em veículos confiáveis.

l  (Fonte: Pexels)

Evite, ainda, pautas extremistas ou escritas de forma vaga. A premissa aqui é clara: quanto mais informação, melhor. Outro ponto crucial é a data de publicação, que deve ser conferida sempre a fim de evitar manchetes antigas. Além disso, não acredite tão rapidamente em informações veiculadas em vídeos e imagens. Por meio das redes sociais, esse tipo de conteúdo é disseminado de forma rápida, fácil e geralmente sem referências.

Por fim, dê atenção não apenas ao conteúdo da notícia, mas também às fontes. Afinal, o site não necessariamente contou uma mentira, mas pode ter reunido informações de modo descontextualizado para gerar, a partir de fatos, uma notícia falsa e tendenciosa.