Facebook anuncia novas medidas contra contas que propagam fake news

1 min de leitura
Imagem de: Facebook anuncia novas medidas contra contas que propagam fake news
Imagem: Facebook
Avatar do autor

Nesta quarta-feira (26), o Facebook anunciou novas medidas contra a propagação de informações enganosas, também chamadas de "fake news", em sua plataforma. Nos próximos meses, usuários serão informados de novas maneiras que uma conta ou página está publicando notícias falsas repetidamente, sejam relacionadas à Covid-19, vacinação ou outro tópico.

O objetivo da mudança é promover mais contexto sobre a sinalização das contas ou páginas que publicam conteúdo com informações falsas aos usuários. A avaliação da veracidade nas postagens, por sua vez, fica por conta das agências de checagem independentes, que podem sinalizar à plataforma quaisquer incoerências.

Nesse contexto, vale ressaltar que esse sistema já existe há algum tempo e anteriormente penalizava apenas postagens individuais sinalizadas por conter informações falsas. A novidade é que a repetição constante da infração ocasionará punições mais severas aos autores, tais como um aviso explícito aos novos seguidores e uma grande redução do alcance de suas publicações.

Exemplo de notificação exibida em uma página que publicou notícias falsas repetidamente. (Fonte: Facebook / Divulgação)Exemplo de notificação exibida em uma página que publicou notícias falsas repetidamente. (Fonte: Facebook / Divulgação)Fonte:  Facebook 

Para os autores publicaram notícias falsas, o Facebook exibirá uma notificação detalhando que o conteúdo foi sinalizado, junto de um artigo publicado pela agência de checagem de fatos com as informações corretas.

Além disso, os usuários serão informados das consequências caso repitam a infração e terão as opções de "Entender melhor a checagem de fatos" ou simplesmente deletar a postagem.

Aviso aos autores de publicações com informações falsas no Facebook. (Fonte: Facebook / Divulgação)Aviso aos autores de publicações com informações falsas no Facebook. (Fonte: Facebook / Divulgação)Fonte:  Facebook