Não é de hoje que a China limita o uso de palavras em plataformas populares, a exemplo do microblog Sina Weibo e do comunicador instantâneo WeChat. E isso aconteceu novamente no domingo (25), quando o Partido Comunista anunciou a extinção da limitação de dois mandatos para o presidente, o que significa a manutenção de Xi Jinping no poder por tempo indefinido. Muitos usuários tentaram manifestar o descontentamento e tiveram palavras e imagens censuradas, com destaque para o corte da letra “N”.

Quem citou mundos distópicos como “1984”, de George Orwell, ou o personagem Ursinho Puff (conhecido lá fora como Winnie the Pooh), assim como “Disney”, foi vetado. Isso porque o teor do livro de Orwell evoca o sentimento de aversão ao governo e Xi Jinping é constantemente comparado com o bichinho dos desenhos animados.

De acordo com o China Digital Times, que fez uma lista de termos abolidos temporariamente, “animal farm”, “disagree”, “ascend the throne”, “shameless” e vários outros vocábulos simplesmente sumiram das publicações por serem considerados “conteúdo ilegal”.

Com relação ao “N”, Victor Mair, o professor de Literatura e Língua Chinesa da Universidade da Pensilvânia, disse que o “N” é análogo ao “X” para os ocidentais, o que poderia ser usado para sugerir, matematicamente, que Xi Jinping poderia ficar infinitamente no comando do país. Outros usuários do Twitter associaram a “infinity” e “no”.

O Business Insider afirma que o corte terminou na terça-feira (27), mas não é de se espantar se acontecer novamente em breve.