Kim Dotcom quer fazer a transmissão em tempo real das suas audiências contra a Justiça dos EUA via YouTube, informou a BBC. O pedido, que foi negado pelo governo norte-americano, foi feito pelos advogados do fundador do Megaupload com o objetivo de garantir uma comunicação “equilibrada”.

“Os EUA defendem programas de vigilância com ‘se você não tem nada a esconder, não tem nada a temer’, mas se opõem à transmissão ao vivo da minha audiência”, protestou Dotcom em seu Twitter.

Para proteger dados de interesse privado e “detalhes sensíveis”, um atraso de 10 minutos foi sugerido para a transmissão – esse delay possibilitaria o veto à veiculação de informações de natureza sigilosa.

Pode ser, ainda, que o streaming seja aprovado por Murray Gilbert, juiz responsável pelo processo, que deverá consultar “as opiniões da mídia local antes de tomar uma decisão”. O julgamento do excêntrico bilionário deverá durar pelo menos oito semanas.

O domínio do Megaupload foi interditado pelo FBI em 2012, quando o serviço de compartilhamento de mídias foi acusado de gerar o prejuízo de US$ 500 milhões às companhias detentoras de direitos autorais. Dotcom enfrenta acusações de violação de direitos autorais, lavagem de dinheiro e extorsão.

Um prejuízo de US$ 500 milhões pode ter sido gerado às publicadoras

Precisamos falar sobre o caso Dotcom

De acordo com Ron Mansfield, advogado de defesa de Dotcom, o processo enfrentado por seu cliente é de “interesse público” e, portanto, deve ser debatido abertamente. “[O caso] aborda interesses sem precedentes de interesse público e internacional”, afirmou Mansfield, dizendo que a cobertura das audiências não deveria ser limitada pelos meios tradicionais de comunicação.

Para ele, Dotcom não deve responder pelas atividades ilegais realizadas pelos usuários do já extinto Megaupload.

Cupons de desconto TecMundo: