Que tal convidar sua namorada ou namorado para um jantar romântico em um restaurante temático, o “Soft Pop Buffet”, com luzes e som ambientes, criando o clima perfeito para uma noite divertidíssima e, quem sabe, preparando o terreno para um pedido de casamento?

Durante o encontro, o casal conversa sem dar muita atenção aos arredores, já que ambos estão hipnotizados pela presença um do outro. Trocam olhares, beijos, carícias nas mãos e...

“Com licença, aqui está seu pedido: Super-mega-master-shake de morango com anis, e Madonna com cebola para a moça; Troll-Cola e alcatra ao alho frito para o rapaz. Bom apetite!”

O garçom chega para mudar o rumo da festa e a vida dos pombinhos para sempre. Quando ele posiciona os pratos e copos naquilo que o casal pensava ser uma mesa, ela se acende e um videoclipe da Madonna começa a ser reproduzido ao lado do prato.

Em outra área da mesa, um documentário contando quem inventou o sorvete é mostrado, fazendo a moça babar em seu Super-mega-master-shake de morango com anis.

Em seguida, o funcionário do restaurante põe na mesa a alcatra ao alho frito para o rapaz, fazendo com que um círculo vermelho piscante apareça sob o prato, com a palavra “colesterol” escrita em letras garrafais.

Quando a Troll-Cola é entregue, a mesa mostra a origem da palavra “troll”, com ilustrações de seres humanoides de educação rudimentar e hábitos alimentares nada saudáveis — pelo menos para humanos.

Neste ponto, o romantismo já foi por água a baixo e o casal se dedica mais a descobrir sobre a mesa do que um ao outro, ou mesmo à refeição.

Apesar de parecer uma cena futurista, o acontecimento acima é perfeitamente possível em alguns lugares do mundo e é só um exemplo do que a tecnologia desse tipo de dispositivo é capaz.

Trata-se de um computador composto por uma tela multitouch, câmeras de infravermelho, reconhecimento de voz e outras tecnologias capazes de reconhecer até o modelo do celular que você coloca em cima, seu rosto, seu humor e até (pasme!) se você é do sexo masculino ou feminino.

Microsoft SurfaceVocê já deve pelo menos ter ouvido falar nesse tipo de aparelho, principalmente porque a gigante Microsoft possui um produto em plena atividade, o Microsoft Surface. Pode não ter sido ela a pioneira no desenvolvimento do equipamento, mais foi ela a primeira a lançar um produto com a tecnologia.

Aqui mesmo no Portal Baixaki, já publicamos alguns artigos que falam sobre o Surface, que aparentemente foi esquecido. Temos essa impressão porque pouco se fala no assunto, o que tem uma justificativa plenamente plausível: não é um produto destinado ao usuário final.

A situação do casal de namorados, além de outras, em hospitais, escolas e lojas, é mais provável do que algo similar acontecendo dentro da casa das pessoas. Pelo menos por enquanto, já que nos vídeos promocionais do Surface, a Microsoft mostra seu uso por usuários domésticos.

Se você ainda não teve a oportunidade de viajar no tempo, como mostramos no artigo sobre o ano 2022, provavelmente não tem como saber se os dispositivos multitouch e o Microsoft Surface se popularizaram o suficiente para serem usados em residências.

Na realidade, até o momento, o produto ainda luta para ganhar o mercado corporativo e, quem sabe em um futuro não muito distante, entrar na sua casa. Porém, não sai barato ter uma criança como essa, pois a versão comercial do Surface custa 12 mil dólares nos Estados Unidos e, a título de curiosidade, não possui revendedores autorizados no Brasil.

Será um desafio imenso tornar viável a compra de um equipamento tão caro para uso em residências, mas torcemos para que ele se popularize e receba versões caseiras mais baratas. O vídeo abaixo é um comercial do Microsoft Surface, mostrando um pouco do que o brinquedão é capaz. Assista e babe.

As mesas digitais ganham o mundo (ou não)

O Microsoft Surface já deixou o estágio de protótipo há muito tempo e circula no mercado mundial, detendo o monopólio desse tipo de produto, já que simplesmente ninguém lançou dispositivo similar.

Hoje ele é usado, por exemplo, no Hard Rock Cafe de Las Vegas, nos Estados Unidos, em mesas espalhadas pelo estabelecimento, com milhares de informações sobre música, artistas e até mesmo os instrumentos e roupas usados pelos maiores astros da música.

Você vê no vídeo abaixo o relato dos proprietários do restaurante, bem como demonstrações de como e para que o Surface é usado.

Algo que talvez poucos saibam é que recentemente a Microsoft inaugurou sua primeira loja própria, com as melhores criações desenvolvidas pela empresa. Obviamente, não poderia faltar nessa loja o Surface, que é um produto de ponta, para consumidores seletos — leia-se empresas, basicamente.

O Surface não só é vendido na loja, como também é usado pelos vendedores e clientes para mostrar e conhecer melhor o que a empresa tem para oferecer. Tudo isso é feito no ambiente extremamente rico e interativo que só a tecnologia multitouch, aliada a diversas outras, é capaz de fornecer.

Microsoft Surface na loja Microsoft.

Entre os parceiros da Microsoft que utilizam o Surface estão ainda a Disney, a MSNBC, a rede Extra Entertainment news, as redes de hotéis Sheraton e Hotel 1000, além do já mencionado Hard Rock Cafe e o iBar, ambos em Las Vegas.

O Surface perdendo o trono

Mas o Surface que se cuide, porque em 2009 a Sony adquiriu os direitos de um projeto chamado atracTable, da empresa Atracsys. Isso significa que daqui a pouco tempo ouviremos falar de mais uma engenhoca com tela sensível ao toque e a gestos, trazendo concorrência para o Microsoft Surface e aquecendo o mercado de mesas digitais.

Outras empresas também possuem projetos na área, mas nenhuma até o momento foi capaz de lançar um produto que realmente chamasse a atenção do mercado. E se você está se perguntando quando essa maravilha vai acontecer, já pode parar, pois espera-se que a Sony lance o atracTable ainda neste ano, no mês de junho.

É esperar para ver se finalmente será possível falar no plural quando nos referirmos à quantidade de modelos de mesas digitais disponível.

A maior diferença entre o Surface e o atracTable deverá ser a capacidade do segundo de reconhecer mais do usuário do que o produto da Microsoft. A promessa é que o equipamento seja capaz de reconhecer gestos, idade aproximada, humor e até o sexo do utilizador.

Entretanto, não são só as gigantes multinacionas as capazes de criar ou recriar tecnologia de ponta. A equipe da revista MaximumPC construiu uma mesa digital com todas as funcionalidades do Surface, porém gastando algumas centenas de dólares, em oposição ao Surface, que custa mais de 12 mil.

Não satisfeita, a equipe da revista ainda publicou um artigo sobre como um usuário pode fazer uma mesa digital em sua própria casa. Ou seja, apesar de as mesas digitais disponíveis atualmente e no futuro serem extremamente caras — pelo menos as lançadas pelas grandes empresas —, em pouco tempo qualquer pessoa com algum conhecimento técnico será capaz de construir sua própria mesa digital, sem precisar gastar rios de dinheiro.

Linuxistas de plantão, esta é para vocês: Peter Hutterer é o nome do responsável pelo MPX, ou "Multi Pointer X Server", uma modificação do X Server do Linux, capaz de reconhecer toques. Ele não é tão preciso quanto o Surface e, segundo o próprio desenvolvedor, ainda possui muitos bugs a serem corrigidos.

Entretanto, os "inimigos" da Microsoft e do software proprietário podem descansar em paz, pois serão capazes também de desenvolver aplicativos ricos em interatividade para serem usados no MPX. Você apostaria nessa ideia? O Linux está longe de ameaçar a hegemonia do Windows. Será que o MPX representará uma ameaça, ou ficará à margem, assim como o sistema operacional?