Coworking: conheça a WeWork, startup que virou série do Apple TV+

4 min de leitura
Imagem de: Coworking: conheça a WeWork, startup que virou série do Apple TV+
Imagem: 9to5Mac
Avatar do autor

A Apple TV+ lançou recentemente a série WeCrashed, que contaa a história real da startup WeWork. Estrelada por Jared Leto como o carismático CEO Adam Neumann, e Anne Hathaway como sua esposa, a série traz uma versão dramática da ruína da empresa, que saiu de um valor de mercado de US$ 47 bilhões para a quase falência em apenas seis semanas, após o anúncio de sua abertura de capital.

O negócio, que já foi tema de podcast e um documentário da Hulu, é um caso inédito sobre o poder da especulação em investimentos de alto risco. Com campanhas sobre mudar o mundo, a empresa unicórnio moveu rios de dinheiro e atraiu olhares de grandes investidores, incluindo Masayoshi Son, CEO da famosa e respeitada SoftBank.

Para entender melhor a história por trás do crescimento meteórico e ruína da WeWork, confira artigo que o TecMundo preparou relembrando a trajetória da empresa.

O que é a WeWork?

WeWork foi criada em 2010 por Adam Neumann e Miguel McKelvey como produto de um empreendimento anterior dos dois: a GreenDesk. A empresa ganhou destaque por disponibilizar espaços de coworking para pequenos empreendedores, oferecendo infraestrutura de qualidade e uma cultura que incentivava a convivência em comunidade.

(Fonte: WeWork/Reprodução)(Fonte: WeWork/Reprodução)Fonte:  WeWork 

A ideia teve uma ótima recepção e, em poucos anos, a startup já possuía escritórios em mais de 100 países, incluindo o Brasil. Em 2016, a empresa chegou a um valor de US$ 10 bilhões, que seriam duplicados já em julho de 2017, principalmente após os investimentos de Masayoshi Son, que se entusiasmou com a ideia de Neumann e injetou US$ 3 bilhões na empresa.

A The We Company, como passou a se chamar em 2019, incluía outros empreendimentos que compartilhavam dos mesmo princípios de futuro de Neumann. Dentre alguns deles, estavam a WeGrow, escola de nível fundamental que visava trabalhar a autonomia das crianças, e o WeLive, empreendimento que investia no coliving — conceito de apartamentos com áreas de convivência comuns para alugar.

Empresa tecnológica? Não é o que parece...

(Fonte: Tomohiro Ohsumi/Getty Images/Vox/Reprodução)(Fonte: Tomohiro Ohsumi/Getty Images/Vox/Reprodução)Fonte:  Getty Images 

Desde o princípio, a WeWork foi descrita como uma empresa tecnológica, mas especialistas discordam desta denominação. A startup utiliza dados para entender as demandas dos clientes e desenvolver ambientes melhores. No entanto, ela nunca se encaixou nos princípios de uma empresa tecnológica, principalmente devido a suas despesas operacionais significativas.

É padrão para startups que primeiro você busque visibilidade para receber investimentos, mirando no crescimento rápido e lucro futuro. Diferentemente de plataformas como Uber e Airbnb, que apenas fazem a conexão entre usuário e prestador de serviço, a WeWork fazia todo o trabalho, além de oferecer regalias aos seus clientes.

O fato de não possuir grande parte dos locais onde seus escritórios estavam localizados fez com que a empresa se comprometesse a longo prazo com aluguéis caros, enquanto oferecia serviços a curto prazo. O correto seria considerar a WeWork como uma empresa do ramo imobiliário e não tecnológico.

Esse erro poderia ter evitado o vexame que a aguardava na primeira tentativa de estreia no mercado de ações, em 2019.

Adam Neumann, o CEO carismático

(Fonte: Eduardo Munoz/REUTERS/Reprodução)(Fonte: Eduardo Munoz/REUTERS/Reprodução)Fonte:  REUTERS 

Adam Neumann foi o principal responsável pela ascensão da WeWork. Seu carisma rendeu US$ 430 milhões em uma rodada de investidores, levando a empresa a US$ 16 bilhões em valor de mercado. Típico palestrante do Vale do Silício, seus discursos motivados e promessas de mudar o mundo levaram milhões de pessoas a seguirem seus ideais e a trabalharem para ele.

No entanto, o polêmico empresário também foi o principal motivo pela ruína da empresa. Com o anúncio de abertura do capital em 2019, os holofotes se concentraram na maneira em como o casal Neumann gerenciava os negócios. Foram relatados o uso de álcool e drogas nos escritórios e viagens caras, além de comportamentos impulsivos — eles poderiam demitir pessoas simplesmente por não gostarem de sua “energia”, segundo os relatos.

Alguns comportamentos ainda sinalizaram que o CEO estaria mais interessado em enriquecer à custa da empresa do que com o futuro do negócio. Um dos principais escândalos foi ele ter registrado a marca “We”, forçando a empresa que comandava a comprá-la por US$ 5,9 milhões após uma mudança de nome — de WeWork para We Company.

IPO e os problemas financeiros

Anúncio da IPO em 2019 (Fonte: ABC News/Reprodução)Anúncio da IPO em 2019 (Fonte: ABC News/Reprodução)Fonte:  ABC News 

Em 9 de janeiro de 2019, a The We Company levantou US$ 1 bilhão em sua rodada de investimentos liderada pelo Softbank, chegando a um valor de mercado de US$ 47 bilhões. Em agosto do mesmo ano, a empresa arquivou os documentos como o primeiro passo para a sua estreia no mercado de ações e o lançamento de sua IPO (oferta pública inicial).

Nesse momento, seus extratos são analisados e fica claro que o crescimento não era compatível com a expectativa de lucro. Na verdade, a empresa gastava muito mais do que lucrava, acumulando dívidas nos últimos três anos e registrando uma perda de US$ 1,6 bilhão somente em 2018.

Com a incerteza sobre sua rentabilidade e notícias escandalosas sobre a gerência, a empresa perdeu credibilidade e precisou reavaliar a estreia no mercado — com seu valor caindo exponencialmente e atingindo a quase falência em apenas seis semanas. Adiada duas vezes, a abertura de capital não aconteceu até que Neumann deixasse o posto de CEO.

Ainda em 2019, a SoftBank injetou mais dinheiro para evitar que a empresa quebrasse e diminuiu parte das operações da startup, cortando gastos e renegociando dívidas. Somente em outubro do ano passado, após 2 anos e sob nova direção, a estreia foi feita com um valor total de US$ 9 bilhões — bem distante dos US$ 47 bilhões que a empresa alcançou em seu ápice de valorização.

Você já assistiu à série da Apple? O que achou da peculiar história real da WeWork? Deixe sua opinião nos comentários!

Matéria publicada originalmente em 22 de janeiro de 2022. Atualizada em 31 de março de 2022.

News de tecnologia e negócios Deixe seu melhor e-mail e welcome to the jungle.