Chefe de marketing do TikTok é demitido por 'campanhas bizarras'

1 min de leitura
Imagem de: Chefe de marketing do TikTok é demitido por 'campanhas bizarras'
Imagem: Nick Tran/Twitter
Avatar do autor

Um dos profissionais mais premiados nos EUA, Nick Tran, chefe global de marketing do TikTok, foi demitido de forma brusca, após uma série de campanhas consideradas pela administração da plataforma de vídeos como cada vez mais bizarras e sem propósito, revelou o The New York Post na quarta-feira (19). Ele estava na empresa desde 2020, depois de atuar como vice-presidente de marketing e cultura da plataforma de streaming Hulu.

Tran teve passagens pela Samsung e Taco Bell, e recebeu diversos prêmios da Forbes, Fortune, Adweek e AdAge por suas realizações em marketing. Assim que chegou ao TikTok, começou logo a criar hype, com um lançamento de tokens não fungíveis (NFTs) de criadores, implantação de um programa de currículos para usuários conseguirem empregos e investimentos maciços de publicidade em TVs e anúncios online.

Mas parece que o estilo espalhafatoso e avesso a controles de Tran não agradou aos administradores do TikTok. Como não foi emitida nenhuma nota oficial sobre a demissão, o The Post procurou a plataforma para confirmar a informação (publicada no The Information), e recebeu de um porta-voz um esclarecimento: “Podemos confirmar que Nick Tran não está mais no TikTok, e desejamos a ele boa sorte em seus futuros empreendimentos”.

Quais projetos irritaram os executivos do TikTok?

Fonte: TikTok/Divulgação.Fonte: TikTok/Divulgação.Fonte:  TikTok 

Entre as campanhas consideradas "fora de sintonia com os objetivos da empresa" está uma coleção de NFTs liderada por criadores, como o rapper Lil Nas X e a cantora filipina Bella Poarch. O projeto não foi para frente. Tran liderou posteriormente os Currículos do TikTok, que acenavam com empregos de nível básico para os usuários em empresas como Alo Yoga, Target e Chipotle.

Mas parece que a "gota d'água" foi mesmo a "cozinha TikTok", outro projeto mirabolante que previa a criação de mil "cozinhas fantasmas" até o final de 2022, para produzir e vender alimentos populares no aplicativo. “Não estamos no ramo de restaurantes e não devemos fingir estar”, afirmou um diretor irado em uma reunião da equipe de marketing.

News de tecnologia e negócios Deixe seu melhor e-mail e welcome to the jungle.