Facebook desacelera, mas não para de crescer em receita e usuários

1 min de leitura
Imagem de: Facebook desacelera, mas não para de crescer em receita e usuários
Avatar do autor

O Facebook divulgou o relatório financeiro da empresa e não há grandes surpresas: o império de Mark Zuckerberg continua com números impressionantes e ainda há espaço para crescer — embora a aceleração agora seja reduzida, o que pode desagradar investidores mais exigentes.

O relatório com os ganhos trimestrais do período que se encerrou em 31 de dezembro de 2019 mostra uma plataforma de alcance global: são 2,26 bilhões de usuários ativos diários em ao menos um dos aplicativos da família, que incluem Facebook (e Messenger), Instagram e WhatsApp. Esse é um crescimento de 11% em relação ao mesmo período do ano passado. Em uma escala mensal, o número passa para 2,89 bilhões de pessoas.

A receita gerada pela companhia também é impressionante: US$ 21 bilhões em rendimentos, com um lucro apresentado de US$ 7,35 bilhões. Entretanto, os números altos (e que até superaram as estimativas do mercado) representam um crescimento anual menor do que o esperado por investidores. Isso significa que a taxa de crescimento do Facebook finalmente começou a cair, e que a empresa precisa buscar novas fontes de receita.

Críticas sem fim

Ao mesmo tempo em que deve manter as finanças no alto, Mark Zuckerberg sabe das dificuldades em gerenciar plataformas tão criticadas. Em uma chamada com os acionistas, o CEO e fundador disse que o objetivo agora "não é gostarem de nós, mas sim sermos compreendidos" e que a neste ano o período eleitoral dos Estados Unidos será a prioridade da companhia, que está confiante em ter um bom papel. Especialmente no pleito presidencial de 2016, a rede social foi bastante criticada por permitir anúncios políticos direcionados e o uso de dados de usuários por terceiros, como no caso da Cambridge Analytica.

Zuckerberg ainda citou que a plataforma de vídoes da rede continua crescendo, possivelmente fruto das aquisições em conteúdo. Ele ainda citou que os setores de Realidade Virtual (encabeçada pelo novo Oculus Quest) e o "Tinder do Facebook" estão "indo bem", mas sem compartilhar dados.

Facebook desacelera, mas não para de crescer em receita e usuários