Morrer nos anos 2010 não é a mesma coisa, meus amigos. Quer dizer... Não sabemos, afinal ainda estamos aqui, mas, assim como em todos os outros setores, a tecnologia também tem feito a diferença em velórios, funerais, cemitérios e demais ocasiões, eventos e lugares que rodeiam o fim de nossas vidas.

Para combinar com esse Dia de Finados, separamos aqui algumas das curiosas ideias e conceitos sobre o assunto.

1. O Uber dos Funerais

Precisa encomendar um funeral para si ou para os amiguinhos? Então, é só fazer o pedido on demand: o Umer é um app que oferece alternativas de cemitérios e companhias do setor com diferentes faixas de preços e serviços, incluindo cremação, enterro e modelos de lápides.

O software russo foi anunciado em janeiro deste ano, e a companhia havia adiantado que seria lançado em 2 meses — o que ainda não aconteceu. O formulário para uso e espera ainda está no ar. Ou seja, pode ser que a novidade esteja viva.

Umer

Ah, sim, a propósito: a brincadeira com o Uber vem, claro, da nomenclatura (“umer” quer dizer “morreu” ou “está morto”) e da similaridade de modelo de negócios com a contratação via app.

2. Pepper, o robô que reza velório

Os robôs e assistentes digitais estão cada vez mais inteligentes, graças à evolução das redes neurais digitais e das máquinas de aprendizado, que permitem aos autômatos falar e até se comportar de maneira semelhante aos humanos. É o caso do Pepper, máquina que ficou famosa por reagir com “emoções” em cargos como recepcionista de estabelecimentos comerciais.

Segundo pesquisa do Japan Consumer Association, um funeral no Japão pode custar 20 mil libras (algo em torno de R$ 86,5 mil), e um sacerdote chega a custar 1,7 mil libras (R$ 7,3 mil). A simpática figura metálica recita sutras de quatro igrejas budistas e move os olhinhos com simpatia por módicas 350 libras (R$ 1,5 mil).

Pepper robô

E a procura é grande: a SoftBank Robotics — que vende também vende o Pepper por aproximadamente R$ 5,7 mil, mais taxa de manutenção mensal de R$ 695 — afirma ter mais de 10 mil unidades em atividade, para os mais diversos usos.

3. Ofertas de velórios em 3D, com direito a aviso em redes sociais

Quando o mercado de tecnologia ainda achava que a grande aposta para os anos seguintes seria o conteúdo 3D, no início dos anos 2010, uma funerária espanhola decidiu inovar com a oferta de diferentes tipos de velórios — com detalhes que ficavam à altura dos mais ricos casamentos, com direito a cardápio, decoração, música e outras atrações.

Cemitério lápide

E a companhia ia além: também oferecia o serviço de notificações em redes sociais, para todo mundo que te segue no Facebook, no Instagram, no Twitter e em outras comunidades fosse avisado sobre sua ida desta para melhor. Não dá para saber ao certo se ela continua na ativa, mas com o crescimento das mídias a empresa poderia faturar ainda mais atualmente.

4. O túmulo que permite se comunicar com mortos

Também lá no já longínquo ano de 2010 surgiu a possibilidade de gravar mais do que apenas algumas palavras ou frases nas lápides dos entes queridos. A Personal Rosetta Stone, da empresa Objects LLC, era uma versão com chip que podia conter mais de mil palavras — que teriam dados sobre sua árvore genealógica, por exemplo — e uma imagem.

Rosetta Stone

Esse conteúdo podia ser acessado via celulares compatíveis com a tecnologia NFC-RFID, e havia a possibilidade de expansão para a comunicação via Bluetooth. Vale lembrar que na época os serviços de acessibilidade, conexão e computação em nuvem eram bem mais limitados. O serviço existe até hoje e foi atualizado com leitura de QR code e pequenas novidades de acabamento, por preços entre US$ 32 (R$ 104) e US$ 225 (R$ 734).

Ainda assim, não há possibilidade de explorar memória “nas alturas” — digo, na nuvem — nem upload de saudosos vídeos em alta resolução.

5. Rolê no cemitério

Tudo bem que cemitérios costumam causar arrepios, mas é bom lembrar que esses locais guardam não somente as histórias de muita gente, mas também a cultura da própria cidade, região e país. Alguns deles guardam celebridades e verdadeiras obras de arte.

Um exemplo é o Cemitério São João Batista, localizado no bairro carioca de Botafogo, onde estão os restos mortais de diversas personalidades brasileiras, como os cantores Cazuza e Carmem Miranda, os compositores Tom Jobim e Vinícius de Moraes, o dramaturgo Nelson Rodrigues, o escritor Guimarães Rosa, treze ex-presidentes do Brasil, entre outros.

Interessou? Não precisa nem sair de casa: é só fazer o rolê via Google Street View, já que as imagens foram captadas pelos carros equipados com câmeras de 360 graus.

6. Rastreamento de lápide por GPS

Você já deve ter passado pela situação de enfrentar dificuldades para encontrar seu ente querido no Dia de Finados no cemitério, não somente pela grande quantidade de pessoas, mas também porque às vezes não é fácil se lembrar exatamente de onde está o túmulo.

Lápide GPSLocalizados e as "pastilhas" para rastreamento

Em 2012, o pessoal do The Preserve — um dos vários “cemitérios verdes” norte-americanos — pensou em uma forma de facilitar a vida de quem está procurando os falecidos para prestar suas homenagens. A administração do local implementou um sistema de localização baseado em rastreamento via GPS.

De lá para cá, a invenção, que prometia chegar ao grande mercado, morreu no caminho.

7. Crematório computadorizado

Todo mundo sabe que a falta de espaço é um problema constante no Japão. E isso afeta também a maneira como os nipônicos dão adeus e se lembram dos mortos. A solução costuma ser vertical, e em vários dos cemitérios desse tipo por lá a tecnologia também ajuda os usuários a encontrar os restos mortais de seus entes queridos com mais segurança e privacidade.

Isso foi tema de uma série chamada “Stairway to Heaven”, em que a fotógrafa documentarista japonesa Noriko Hayashi costuma retratar problemas sociais em diversas partes do mundo. O prédio Shinjuku Rurikoin Byakurengedo, por exemplo, só permite acesso aos jazigos por meio de cartão eletrônico, com entrada automatizada.

Cemitério iluminado budista

Já o templo de Banshoji libera o corredor para os repositórios de cinzas por meio de identificação eletrônica, e a urna correspondente fica iluminada de uma cor diferente, para que você possa enxergá-la com mais facilidade.

8. Cemitério budista tecnológico

Também na Terra do Sol Nascente, você pode encontrar um templo hi-tech dedicado a Buda em Tóquio. Semelhante ao Shinjuku Rurikoin Byakurengedo, o Ruriden fica no Templo Budista de Koukokuji e conta com 2.046 estátuas de cristal iluminadas por LEDs coloridos de alta intensidade.

Atrás de cada uma ficam as urnas com as cinzas das pessoas que já se foram e repousam nesse local. Para visitar, você precisa de um cartão de acesso ou código PIN, e os cadastros possuem tonalidades diferentes, para facilitar a localização.

Cemtério budista

A capacidade de 900 estátuas já foi toda ocupada, e os restos mortais ficam armazenados durante 33 anos, período em que a personalização dessas visitas traz um ar mais ensolarado para momentos tão tristes ou de reflexão.

Cupons de desconto TecMundo: