O computador é uma plataforma muito versátil para games, já que o consumidor tem o poder de montar sua própria máquina — de acordo com seu bolso — e atualizá-la conforme necessário.

Entretanto, essa capacidade de montagem personalizada e dos upgrades gera várias dúvidas quando falamos em processadores. As discussões sobre a influência do cérebro da máquina na hora da jogatina vêm de longa data.

De um lado, temos um grupo que defende com unhas e dentes a extrema importância da CPU nos jogos. Do outro, vários gamers dizem que o processador é irrelevante, sendo que até mesmo um chip mais fraco geralmente dá conta do recado.

Pensando nessa polêmica, o site TechSpot realizou uma bateria de testes com quatro modelos da linha Intel Core, mostrando como cada componente se sai em diferentes tarefas. Abaixo, vamos conferir as diferenças de desempenho entre eles na prática com alguns games, tanto usando o chip integrado quanto com placas de vídeo offboard. Leia e surpreenda-se!

Modelos analisados

Para conseguir uma amostra de resultados significativa e entregar resultados úteis ao leitor, o pessoal da TechSpot fez uma análise com os seguintes processadores: Intel Core i3-4160, Intel Core i3-4350, Intel Core i5-4690 e Intel Core i7-4790.

A ideia de fazer testes com uma única marca é totalmente válida, já que garante uma comparação justa e deixa transparecer bem a importância de alguns aspectos, como quantidade de núcleos, threads, memória cache e frequência.

Só para constar, os chips escolhidos compartilham a mesma arquitetura e trazem várias características de construção similares, o que nos sugere que os resultados tendem a ser mais coerentes e úteis na prática.

Uma comparação entre Intel e AMD também tem sua utilidade, mas apenas serviria para mostrar qual marca leva vantagem em um ou outro game. Isso dito, vamos conferir alguns benchmarks e verificar as conclusões de Steven Walton, autor da matéria original que traz algumas colocações bem interessantes.

Bom, todos os modelos analisados rodam em frequências similares — somente o Intel Core i5 opera com clock de 3,5 GHz. Os chips da linha i3 saem em desvantagem ao trazerem a metade de núcleos físicos e menor quantidade de memória cache, mas eles podem trabalhar com o mesmo número de threads que os produtos intermediários.

No topo, o Intel Core i7 reina absoluto com cache de maior tamanho, clock em modo turbo mais elevado e a possibilidade de trabalhar com 8 threads simultaneamente. Essas diferenças podem ser como “grego” para o consumidor, então a análise do TechSpot acaba sendo muito útil e mostrando em quais tarefas o i7 consegue se sobressair de verdade.

Desempenho da Intel HD Graphics

Intel vem melhorando suas soluções gráficas nos últimos anos, o que, na teoria, significa que os jogadores podem aproveitar uma maior gama de títulos sem precisar investir em uma placa de vídeo offboard. Na prática, contudo, a história pode ser um pouco diferente. Será que os chips HD Graphics 4400 e 4600 estão preparados para rodas os jogos mais recentes?

Em todos os benchmarks listados acima, a configuração gráfica sempre foi definida para “Low” (a mais baixa possível e sem filtros ativados). Tirando Hitman Absolution e BioShock Infinite que rodaram com taxa de frames aceitável, acima dos 30 fps, no Intel Core i7 e no Intel Core i5, os demais jogos executaram de forma precária, mesmo na resolução 1280x800 pixels.

É interessante observar que aqui dá pra perceber uma leve diferença que a CPU pode fazer em alguns jogos. Basta perceber que o i3-4350, o i5-4690 e o i7-4790 contam com a mesma GPU, mas que os resultados entre eles foram diferentes. Curioso notar que o Intel Core i5 conseguiu mais pontos no Hitman, mesmo sendo, na teoria, mais “fraco” que o top da fabricante.

A conclusão do TechSpot é bem simples: todos os processadores Intel Core testados não servem para jogos! E o autor da matéria deixa bem claro que as APUs da AMD são a única solução em games para quem não quer/pode/vai comprar uma placa de vídeo externa, já que os chips Radeon são bem robustos e apresentam bons resultados nos principais títulos.

Games com placas de vídeo dedicadas

Com o objetivo de ter uma noção mais precisa das reais diferenças de desempenho entre os modelos testados, o TechSpot testou os processadores com duas placas de vídeo, obtendo assim informações mais claras sobre a influência da CPU no trabalho em conjunto com a GPU.

No jogo Thief, com o uso da placa GTX 980 e GTX 960, o Intel Core i5 levou a melhor por uma vantagem mínima. O curioso é que com a placa de vídeo mais fraca, até o Intel Core i3 conseguiu acompanhar o desempenho do Core i7. O jogo Metro Redux não apresentou surpresas, mas mostra que o Intel Core i3-4160 pode ficar 20 frames abaixo do i7-4790.

As verificações com BioShock Infinite trazem dois quadros distintos. Com a GTX 980, a hierarquia de resultados obedece a lógica das especificações, em que o i7 é o melhor, o i5 fica como intermediário e os processadores i3 ficam um pouco abaixo. Entretanto, ao usar a GTX 960, o quadro se inverte, com o Core i5 liderando e os dois chips Core i3 ficando à frente do i7.

Ainda que o Intel Core i7 seja o mais poderoso em alguns testes, ele não se consagra como modelo supremo, já que “apanha” do Intel Core i3 em alguns cenários e perde na maioria para o Intel Core i5.

Dessa forma, a conclusão do site TechSpot é bem óbvia. O Intel Core i3 tem a melhor relação custo-benefício, sendo o mais recomendado para quem quer economizar e aproveitar os games da mesma forma. Apesar disso, a aquisição do Intel Core i5 não é má ideia, já que você obtém um pouco mais de desempenho e possíveis resultados melhores em games futuros.

A vantagem do Intel Core i7

Apesar de não ser tão superior em jogos, o que poderíamos, de fato, atribuir à utilização mais recorrente do chip gráfico em grande parte dos títulos, o Intel Core i7, mesmo perdendo em alguns casos por uma pequena margem, é obviamente superior aos seus parentes mais básicos e baratos.

Contudo, se a diferença não fica claro na jogatina, as grandes vantagens do processador são evidenciadas em softwares que necessitem de maior poder bruto de processamento e em programas que tenham capacidades de aproveitar os múltiplos threads.

É o caso de grandes cargas de cálculos no Excel 2013, dos benchmarks no 7-Zip e WinRAR e nos aplicativos da suíte Adobe. Ele se sai melhor em todos os casos, mas não leva tanta vantagem no uso do InDesign e do Illustrator.

Dessa forma, podemos dizer que o Intel Core i7 é um processador específico para quem realmente trabalha pesado com aplicativos. Também é importante salientar que o Intel Core i3 pode ser mais do que suficiente para a maioria das pessoas, isso sem contar que ele leva vantagem por economizar energia. O que você achou dos testes? Qual é o seu processador?