(Fonte da imagem: Reprodução/iStock)

No ano passado, segundo o site Inovação Tecnológica, pesquisadores da Universidade de Chiba (no Japão) e do Instituto de Tecnologia Karlsruhe (na Alemanha) conseguiram pela primeira vez combinar os conceitos da spintrônica e da eletrônica molecular em um componente – o qual é composto de uma única molécula.

Esse elemento deu origem a outro estudo, realizado por cientistas dessas mesmas instituições de ensino e publicado em fevereiro deste ano na revista científica Nature Communications. Nessa pesquisa mais recente, foi descoberto que um único átomo baseado em ferro, protegido por outros 50 átomos, é capaz de transportar um bit sem que o seu valor sofra alterações.

Também de acordo com o portal Inovação Tecnológica, essa quantidade de átomos é bem inferior à que os métodos adotados atualmente para a gravação de informações em discos de armazenamento exigem – a qual é de aproximadamente três milhões de átomos magnéticos.

A nova descoberta

O grupo de pesquisadores criou uma memória magnética que usa uma molécula denominada Fe-phen — abreviatura de Fe(1,10-phenanthroline)2(NCS)2 — para guardar um bit de informação. Esse complexo metal-orgânico apresentou um fenômeno chamado spin-crossover, que tem a capacidade de alterar a sua rotação e alternar entre um estado magnético e condutor para um estado não magnético e de baixa condução por meio de estímulos elétricos.

Imagem que representa a molécula com o átomo de ferro envolto por elementos orgânicos. (Fonte da imagem: Miyamachi et al/Nature Communications)

A utilização desse tipo de molécula evita o acontecimento do efeito superparamagnético, o qual impede a diminuição dos bits nos discos de armazenamento – fazendo com que os cristais magnéticos usados nesses procedimentos se tornem mais suscetíveis à influência de temperaturas externas.

Vantagens e promessas

Com isso, as memórias spintrônicas têm a vantagem de ter um procedimento de escrita (gravação das informações) puramente elétrico. Isso significa que elas levariam um tempo muito inferior para a transferência dos bits.

A molécula Fe-phen também mostrou em meio às suas configurações magnéticas inúmeros canais de condutância – um comportamento peculiar aos memristores. É tal característica de componentes eletrônicos que promete viabilizar o desenvolvimento de computadores e video games com um poder de processamento de deixar qualquer um de queixo caído.

Por exemplo, os jogos não necessitariam mais daquelas incômodas telas de “loading”. O carregamento do conteúdo dos games aconteceria praticamente instantaneamente. Além disso, os discos de armazenamento passariam a registrar dados com uma velocidade extraordinária. Para conhecer mais sobre a spintrônica, não deixe de conferir os seguintes artigos:

Fonte: Inovação Tecnológica, Nature Communications

Cupons de desconto TecMundo: