Embora o tempo dos carros americanos de motores grandes e que só serviam para acelerar em linha reta tenham passado há bastante tempo, a Dodge conseguiu pegar uma velha fórmula e atualizá-la com certo primor. Há algumas semanas ela revelou o seu mais novo Challenger, na versão SRT Demon – e, honestamente? O nome não podia ser mais apropriado.

Diferente da engenharia truculenta e bruta da década de 70, no entanto, a montadora norte-americana resolveu usar a ciência e a tecnologia a seu favor para fazer um “carro de arrancada para as ruas”.

Começando pelos números: o novo Challenger SRT Demon tem um motor HEMI V8 supercharger de 6,2 litros que gera obscenos 852 cavalos de potência e entrega nada menos que 106 kgfm de torque – o mais potente propulsor de oito cilindros em V de produção até hoje.

Não entendeu nada? Pois bem: isso quer dizer que o carro tem força o suficiente para acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 2,3 segundos. Coloque os pneus borrachudos e grudentos especificamente desenvolvidos para arrancada e o que você tem um carro que exerce uma força de 1,8g e que levou o recorde do Guinness por ser o primeiro carro de produção a conseguir levantar suas rodas dianteiras pela distância de quase um metro em sua arrancada.

Isso significa que ele acelera mais rápido que um Bugatti Chiron e quase igual a um Tesla Model S com seu Ludicrous Mode Plus, mostrando que os dinossauros em forma líquida ainda têm seu valor – desde que, claro, eles tenham mais de 100 octanas. Para efeito de comparação, nossa gasolina comum tem 87 octanas, com as versões de alta octanagem chegando a 95.

Mas não se trata apenas de um motor enorme e potente: para conseguir esses números e desempenho, a Dodge desenhou o veículo para que praticamente todas as suas funcionalidades ajudassem a fazê-lo ser mais rápido – Tão rápido, na verdade, que o veículo chegou a ser banido pela principal entidade que organiza competições de arrancada nos Estados Unidos, a NHRA.

O Challenger SRT Demon é capaz de percorrer os 402 metros de uma pista de arrancada em 9,65 segundos e, de acordo com a organização, qualquer carro com esse tipo de desempenho precisa de uma gaiola de proteção interna (conhecido como santantônio por aqui), coisa que o Demon não tem.

Mas, falando sobre as traquitanas satânicas de engenharia: o carro conta com uma função, chamada de liquid-to-air, que direciona o gás de refrigeração do ar-condicionado, que originalmente esfria o ar dentro da cabine do veículo, para uma parte específica debaixo do capô, para refrigerar em até 7 graus Celsius o ar que é direcionado para a admissão do motor – fazendo com que ele fique mais denso e, portanto, ajude a gerar mais potência.

Essa potência precisa ser entregue nas rodas com eficiência e, sendo assim, a Dodge fez questão que a suspensão do carro esteja perfeitamente ajustada no modo “Drag”. Sendo assim, amortecedores e molas se ajustam para colocar o máximo de peso possível na parte de trás do carro, o que melhora a tração em até 11%, de acordo com a Dodge.

Outras duas funções bacanas para fazer você arrancar como se fosse uma bala de uma arma são o chamado “transbrake” e a reserva de torque.

O primeiro funciona de uma forma bem simples: com o carro parado e no modo de arrancada, o conjunto de transmissão gira livremente até 2.350 rotações por minuto, sem estressar os freios – e que também elimina a perda de energia. O resultado é uma entrega de força até 15% maior do que no modo convencional.

A reserva de torque funciona em conjunto com o transbrake e também é acionada ao pressionar as duas borboletas de troca de marcha ao mesmo tempo. Ela permite que o supercharger gire mais rápido (por estar livre). O resultado é um torque 120% maior na arrancada do que se fosse feito segurando o carro no freio – e tudo entregue em 150 milissegundos.

Na parte de forma, a entrada de ar no capô do Dodge Challenger SRT Demon também não é gigantesca à toa: na verdade, ela é a maior entrada de ar funcionar em carros de produção, com 291,6 centímetros quadrados. Ele é combinado ao “Air-Catcher”, um buraco no lugar de dois dos quatro faróis do Demon, e juntos eles conseguem capturar 32,5 metros cúbicos de ar por minuto.

O Dodge Challenger SRT Demon terá uma produção limitada em 3,3 mil unidades, distribuídas entre os Estados Unidos e Canadá. O preço não foi divulgado, mas a montadora já antecipou que ficará abaixo de US$ 100 mil.

Cupons de desconto TecMundo: