Defy: Motorola pode ressuscitar celular 'indestrutível' de 2010

1 min de leitura
Imagem de: Defy: Motorola pode ressuscitar celular 'indestrutível' de 2010
Imagem: Evan Blass/Twitter
Essa não é uma matéria patrocinada. Contudo, o TecMundo pode receber uma comissão das lojas, caso você faça uma compra.
Avatar do autor

A Motorola está ressuscitando um modelo de smartphone que vai dar alegria a muitos saudosistas. Trata-se de uma nova versão do Defy, lançado originalmente em 2010 e conhecido como o "celular indestrutível" por ser o primeiro aparelho Android resistente à água, poeira e também quedas e arranhões, graças ao uso de vidro Gorilla Glass.

Compartilhada pelo vazador Evan Blass no Twitter, as imagens mostram que o design e especificações do modelo clássico passaram por uma considerável repaginada. O visual é mais contemporâneo, mostrando três câmeras traseiras e um sensor frontal com notch em formato de lágrima.

No entanto, a velha fama de “casca grossa” continua: além da resistência IP68 contra poeira e água (hoje presente em diversos dispositivos), o novo Defy teria o mesmo corpo altamente resistente a impactos, capaz de sobreviver à quedas de quase dois metros graças ao uso de uma placa exclusiva e “estruturalmente reforçada”.  Ele poderia até chegar com um talabarte, equipamento de segurança para prendê-lo ao cinto.

Por dentro do Motorola Defy

Por outro lado, dentro da armadura o Defy revela-se bem moderninho ao trazer display de 720p de 6,5 polegadas, processador Snapdragon 662, memória RAM de 4GB e armazenamento expansível de 64GB, além de uma bateria de 5000 mAh. Para manter a tradição, a tela é de vidro Gorilla Glass Victus, versão lançada no ano passado e que promete maior resistência à queda e dedos molhados.

No quesito câmeras, o Defy está relativamente bem na foto com uma câmera principal de 48MP, macro de 2MP e sensor de profundidade de 2MP. Na frente, o celular traz uma solução de selfies de 8MP.

Pelo número de rumores e vazamentos, parece que a Motorola está prestes a lançar o novo Defy, embora não se saiba ainda quanto o "revival" irá custar. Pelas especificações especuladas, não será um preço alto, com certeza. Também não se sabe ainda a receptividade dos usuários, visto que nem o Defy e nem a Motorola desfrutam do poder que tinham há uma década.

Defy: Motorola pode ressuscitar celular 'indestrutível' de 2010