Argentina confirma primeiro caso de varíola de macacos

1 min de leitura
Imagem de: Argentina confirma primeiro caso de varíola de macacos
Imagem: Shutterstock

O Ministério da Saúde da Argentina confirmou nesta sexta-feira (27) o primeiro caso da varíola de macacos no país, levando também ao primeiro registro da doença na América Latina. Trata-se da mesma pessoa que procurou atendimento médico em Buenos Aires recentemente, com sintomas que indicavam a doença.

A confirmação veio após a realização de teste PCR no paciente, um homem de 40 anos que havia retornado de viagem à Espanha, conforme a imprensa local. “O sequenciamento genômico foi realizado usando o método de Sanger, que rendeu uma porcentagem muito alta de homologia com sequências do clado da África Ocidental”, disse a pasta, em nota.

Ele havia sido internado no domingo (22), apresentando febre e lesões em várias partes do corpo. Mas agora, o paciente encontra-se em bom estado e está passando por tratamento sintomático, de acordo com o órgão.

A confirmação do caso na Argentina veio após a realização de testes clínicos.A confirmação do caso na Argentina veio após a realização de testes clínicos.Fonte:  Shutterstock 

Pessoas próximas a ele estão sendo monitoradas de perto, sob controle clínico e epidemiológico, e no momento não apresentam sintomas, segundo o relatório. Vale destacar que dores de cabeça e no corpo, cansaço e nódulos linfáticos inchados são outros sinais da varíola dos macacos, além da febre e das lesões cutâneas.

Novo caso suspeito

As autoridades de saúde argentinas também noticiaram a identificação de um novo caso suspeito de varíola do macaco. A notificação é relacionada a um residente da Espanha que está em visita a Buenos Aires e não tem ligação com o primeiro caso.

O Ministério da Saúde afirmou que a pessoa apresenta úlceras sem outros sintomas associados, tem bom estado geral, está isolada e em tratamento. As amostras dela passam por análise clínica.

Até esta sexta-feira (20), o número de casos confirmados está em cerca de 200, espalhados por mais de 20 países.