Varíola de macacos está se espalhando pelo sexo, diz especialista

1 min de leitura
Imagem de: Varíola de macacos está se espalhando pelo sexo, diz especialista
Imagem: Shutterstock
Avatar do autor

Um especialista da Organização Mundial da Saúde (OMS), David Heymann, afirma que o surto de varíola de macacos que se espalha na Europa e Estados Unidos pode estar sendo transmitido através do sexo.

Heymann é ex-presidente do departamento de emergências do órgão internacional. Ele diz, em entrevista para a APNews, que a doença é transmitida pelo contato entre pessoas, mas não é essencialmente uma Infecção Sexualmente Transmissível.

A varíola de macaco é causada por vírus ortopoxvirus (Fonte: Shutterstock)A varíola de macaco é causada por vírus ortopoxvirus (Fonte: Shutterstock)Fonte:  Shutterstock 

A varíola de macacos pode se espalhar se houver contato com a lesão de um paciente infectado. Situações como essa são muito prováveis de ocorrer durante o sexo e por isso cientistas afirmam que é difícil caracterizar a forma de contágio com precisão.

Heymann aponta o fato de que, na Europa, a maioria dos casos ocorreu entre homens que tiveram relações sexuais com outros homens, como uma evidência dessa teoria. Ainda assim, ele ressalta que qualquer pessoa, de qualquer sexualidade está susceptível ao problema.

“Por natureza, a atividade sexual envolve contato íntimo, o que se espera aumentar a probabilidade de transmissão”, diz Mike Skinner, virologista do Imperial College London à CNBC. "Isto não depende da orientação sexual de uma pessoa e do modo de transmissão."

Até o momento, a OMS já registrou mais de 90 casos da doença em países como Canadá, Espanha, Israel, França e Austrália. Os quadros tem sido leves e não há mortes relatadas. A infecção causa febre, calafrios, erupções na pele e lesões no rosto ou nos genitais.

A prevenção pode ser feita através da vacinação. É que o imunizante contra a varíola também é efetivo contra esses vírus relacionados. A indústria farmacêutica também está desenvolvendo novos antivirais que podem ajudar no combate à essa doença.

Entretanto, a agência de saúde da ONU ressalta que o fenômeno é atípico, e a disseminação dos casos pode ser um sinal de que o vírus já estivesse se espalhando silenciosamente há algum tempo.