Inpe: alertas de desmatamento na Amazônia têm recorde em outubro

1 min de leitura
Imagem de: Inpe: alertas de desmatamento na Amazônia têm recorde em outubro
Imagem: Shutterstock
Avatar do autor

A COP26, Conferência das Nações Unidas para Mudanças Climáticas, está terminando nesta sexta-feira (12), deixando um saldo aparentemente positivo para o Brasil. Além de levar ao evento a maior delegação (479 membros, segundo a Folha de S. Paulo), o país assinou o acordo para deter o desmatamento e afirmou, para os ingleses verem, que o corte ilegal de árvores estava sendo combatido com mais recursos e patrulhamentos.

Porém, nesta sexta-feira (12), o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) divulgou que a Amazônia Legal teve em outubro uma área de 877 km2 sob alerta de desmatamento, um valor 5% maior quando comparado ao mesmo período em 2020 e recorde para esse mês desde que o levamento começou a ser feito, em 2016. A medição foi feita pelo Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter), que monitora áreas maiores que 3 hectares (0,03 km²).

Fonte: ShutterstockFonte: ShutterstockFonte:  Shutterstock 

A realidade do chão da floresta

O sistema do Inpe, que apura tanto áreas totalmente desmatadas como aquelas que se encontram em processo de degradação florestal (com exploração de madeira, mineração ou queimadas), elegeu o estado do Pará para o triste posto de campeão do desmatamento no mês, com 501 kmde alertas. O segundo colocado foi o Amazonas, com 116 km2, seguido pelo Mato Grosso, com 105 km2.

Os números do Deter, que contradizem o discurso do governo Bolsonaro na COP-26, já eram esperados por ativistas, que criticavam a delegação brasileira por não divulgar o Prodes (Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite), outro importante dado oficial do desmatamento, também medido pelo Inpe.

De acordo com o secretário-executivo do Observatório do Clima, Marcio Astrini, "As emissões acontecem no chão da floresta, não nas plenárias de Glasgow". Para o ambientalista, o que o chão da floresta revelou foi que "este governo não tem a menor intenção de cumprir os compromissos que assinou na COP26."