Covid-19 pode reduzir a fertilidade masculina, diz estudo

2 min de leitura
Imagem de: Covid-19 pode reduzir a fertilidade masculina, diz estudo
Imagem: Quadro-negro/Shutterstock
Avatar do autor

Um artigo de revisão publicado sexta-feira (29), na revista científica Reproduction, trouxe mais um efeito adverso em homens que já contraíram a covid-19: a doença é capaz de afetar negativamente a qualidade do esperma e reduzir a fertilidade masculina.

O autor do estudo, Behzad Hajizadeh Maleki, doutorando da Justus Liebig-University da Alemanha, afirmou num comunicado à imprensa que esses efeitos tendem a melhorar com o tempo, mas “permaneceram significativa e anormalmente mais altos nos pacientes covid-19” que fizeram parte do estudo realizado.

A análise foi feita em duas populações, uma com 84 homens com casos de covid-19 confirmado, e um grupo de controle com 105 homens saudáveis na mesma idade. Após um acompanhamento de 60 dias, feito em intervalos de 10 dias, observou-se um aumento na morte de espermatozoides, inflamações e estresse oxidativo.

Embora realizada em uma população reduzida, essa foi a primeira evidência experimental direta de que o sistema reprodutor masculino pode ser afetado e danificado pelo coronavírus. O trabalho também serve de alerta para que haja avaliação e acompanhamento da função reprodutiva em homens infectados pela covid-19.

Fonte: France-Presse/ReproduçãoFonte: France-Presse/ReproduçãoFonte:  France-Presse 

Nota forte de cautela

Para a diretora de embriologia do CARE Fertility Group na Grã-Bretanha, Alison Campbell, ainda “não há evidências definitivas de danos de longa duração causados por COVID-19 ao esperma ou ao potencial reprodutivo masculino”.

Para a médica britânica, os resultados podem ter sido contaminados pelo fato de os homens que tiveram covid-19 e se recuperaram terem sido tratados com corticosteroides e terapias antivirais, enquanto o grupo de controle não.

Um especialista em medicina reprodutiva masculina da Universidade de Sheffield, Allan Pacey recomendou uma "nota forte de cautela" sobre a forma como os dados da pesquisa foram interpretados. Ele alerta que alguns dos fatores que causaram a redução na qualidade do esperma podem ser extra-covid, pois 19 indivíduos eram obesos.

Pacey alerta que o simples fato de um dos grupo estar muito doente, independentemente da causa, precisa ser levado em consideração, tendo em vista que qualquer condição febril pode afetar a produção de esperma.

Estudos futuros mais extensos

Outra conclusão importante apresentada pelo estudo foi o aumento de atividade enzimática ACE2 em homens que tiveram covid-19. Essa elevação é significativa, pois essa enzima é uma proteína que fornece o ponto de entrada para o novo coronavírus se conectar e infectar uma ampla gama de células humanas.

Allan Pacey, que é também editor-chefe da revista Human Fertility, reconhece que essa possa ser uma prova de que a covid-19 possa realmente impacta o sistema reprodutivo masculino porque os receptores ACE2 que o vírus utiliza para acessar os pulmões são do mesmo tipo dos encontrados nos testículos.

O que todos os especialistas concordam é que, face à gravidade das conclusões apresentadas, há necessidade de estudos mais extensos, com acompanhamento mais detalhado, bem como monitorar possíveis efeitos transgeracionais em longo prazo.